Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MOMBOJÓ

 

 Por: André Montandon


A banda Mombojó, que no final do ano passado montou num cavalo alado chamado Brisa e partiu num galope rasgado à beira-mar para não perder o trem da Estação da Luz, se prepara para desembarcar pela segunda vez no palco do Laboratório 96. O grupo de Recife, referência do movimento pós-mangue beat, formado pelo Felipe S (vocal), Marcelo Machado (voz e guitarra), Chiquinho Moreira (teclados e sintetizador), Vicente Machado (bateria) e Missionário José (baixo e sintetizador), faz o lançamento ao vivo do álbum “Carne de Caju”, que está já disponível nas plataformas digitais e que tem sido muito bem aceito pela crítica e público, no qual relê o cancioneiro de Alceu Valença, monumento vivo da música pernambucana.

O Álbum já havia sido antecipado pelos singles “Estação da Luz” e “Amor que vai”. Junto com a sua estreia, foi lançado o clipe para a canção “Romance da Bela Inês”. O show em Uberaba contará ainda no repertório com grandes sucessos do grupo, relembrando as mais de duas décadas de trajetória. E e claro que nós não poderíamos deixar passar essa oportunidade de bater um papo com essa referência da cena independente nacional, que você confere a seguir:

- É uma grande honra bater esse papo com vocês, principalmente nesse momento de lançamento do álbum “Carne de Caju” em homenagem ao grande Alceu Valença e às mais de duas décadas de trajetória do grupo. Quais são os maiores desafios e realizações que a banda enfrentou ao longo de sua jornada musical? 

Mombojó - O maior desafio é lidar com os altos e baixos do mercado independente do Brasil, circular, tocar nos lugares, divulgar o trabalho. A banda surgiu num momento em que os canais de divulgação estavam mais consolidados, e tivemos a sorte de contar com parcerias que foram estratégicas para que tivéssemos muita visibilidade com nosso primeiro disco. Nesses 23 anos, o mercado se transformou completamente várias vezes, mas para nós sempre foi um prazer fazer música e encontrar as pessoas. 

- O som da banda incorpora uma variedade de influências culturais com originalidade e profundidade. Como vocês integram essas influências de maneira coesa? 

Mombojó - Acho que não existe uma estratégia definida neste sentido, mas essa integração é também uma característica do nosso tempo. Talvez nesse sentido o rótulo de "pós-mangue" seja adequado, porque algumas das nossas maiores influências musicais são justamente artistas e bandas que já partem desde princípio de misturar. 

- Quais critérios foram considerados durante esse processo de seleção das músicas para incluir neste álbum de homenagem? Houve alguma música que apresentou um desafio particular ao recriar ou reinterpretar? 

Mombojó - A escolha de repertório veio a partir da sugestão de Felipe de fazermos uma releitura como intérpretes da obra de Alceu, e todos sugeriram canções que eram favoritas pessoais. Buscamos focar no período dos anos 80 e 90, que é um período em que todos da banda eram crianças e adolescentes, e onde essas músicas construíram uma memória afetiva muito forte. O maior desafio foi encontrar a assinatura do Mombojó nas músicas de Alceu, descobrir como esta ou aquela música virariam "nossas". "Bela Inês" talvez tenha sido um distanciamento mais radical do nosso habitat natural, mas também curtimos muito nos ver nessa configuração com Marcelo na voz, e achamos que a galera tá curtindo também. 

- Qual é a importância de preservar e reinterpretar a obra de ícones da música brasileira como Alceu Valença para as gerações futuras? 

Mombojó - Preservar a memória e documentar a história são fundamentais no Brasil, né? Basta olhar pra o que está acontecendo hoje em dia, com fatos terríveis da nossa história sendo questionados como se não tivessem ocorrido. Alceu como artista teve um papel muito importante ao se colocar como um artista nordestino que desenvolveu uma carreira nacional e internacional sem precisar imitar o que vem de fora, essa sempre foi uma tônica do seu trabalho. Quando ele mistura Jackson do Pandeiro com o rock psicodélico, a precedência sempre foi de Jackson, ele nunca foi de fazer mesuras pra música estrangeira, e achamos que esse é um aprendizado importante não só pros artistas mas pra os brasileiros no geral. 

- Agora, sem querer ser ansioso, mas já sendo, hahahah. O que vocês estão preparando para essa apresentação em nossa cidade? 

Mombojó - Esse show é muito calcado no Carne de Caju, já com algumas novidades que vieram surgindo ao tocarmos o disco ao vivo, e também outras músicas de Alceu que quiseram pegar carona. Mas também vamos tocar Mombojó pra quem estiver com saudade das nossas músicas.

- Para encerrar, manda uma mensagem para galera de Uberaba e região que segue o zebunarede e está ansiosa para esse encontro especial no Laboratório 96.

Mombojó - Estamos muito felizes de voltar, com a alegria de saber que o Brasil não foi pro Brejo e o mundo não acabou. Esperamos encontrar essa galera massa lá no Lab e celebrar a vida, e também esse grande artista que é Alceu Valença.


Curtiu a entrevista?
Quer saber mais sobre a banda?
Acesse:

Já garantiu o seu ingresso para essa super apresentação❓️ 
Não🤯⁉️!?
 Então não perca mais tempo, acesse 👇
https://www.sympla.com.br/evento/mombojo-no-lab96-uberaba/2347175 😉

Siga o zebunarede também pelas redes sociais:

Facebook: zebunarede.com

Instagram: @zebunarede

Youtube: zebunarede

Twitter: @zebunarede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - YSAAC & K.OLIVER

  Por: André Montandon Parceiros de longa data, Ysaac e K.Oliver seguem como eles mesmos dizem: "contrariando as estatísticas". Com muita luta, força, foco e fé, a dupla desenvolve o seu trabalho. E podemos dizer que já são referências em Uberaba e região. Além da carreira solo, eles participam de outros projetos ao lado de feras da cena local, com a Família BMX. Sempre em constante movimento, eles lançaram no mês de maio, o álbum que carrega em seu título o lema da dupla  "Contrariando as Estatísticas", produzido e gravado em São Paulo, conta com vídeo clipe em todas as faixas. Aproveitando o lançamento, batemos um papo com eles. Confira a seguir: - Para começar a nossa entrevista, gostaríamos de saber um pouco mais sobre o processo de produção/gravação do novo álbum? Ysaac/K.Oliver -  Salve família. Máximo Respeito. O processo de produção e gravação do nosso álbum ele veio com muita luta e muita história porque algumas músicas deste álbum duas ou três músicas eu

BATE-PAPO COM JOÃO CARLOS NOGUEIRA

Por: André Montandon João Carlos Paranhos Nogueira  é um dos grandes nomes do esporte uberabense. Seu currículo é inspirador, abrange prêmios de destaque do ano, participações e títulos em importantes competições do país. Fera na natação, no triatlo e na maratona aquática, João começou a praticar esporte bem cedo, aos seis anos de idade.  Nas piscinas, são vários pódios, destaque para os títulos no Circuito Brasil e Circuito Paraolímpico. Em 2011, iniciou no Paratriathlon, também conseguindo bons resultados, como a Copa Brasil de 2018. Em 2014, começou na maratona aquática, com diversos títulos na categoria PCD  e sempre estando entre os melhores também contra nadadores sem deficiência, na categoria master. Medalhas em eventos importantes como no Desafio Aquaman, no Circuito de Maratona Aquática do Estado de São Paulo, na Travessia dos Fortes e o Circuito Rei e Rainha do Mar. No ano passado, mais um feito marcante em sua carreira, foi campeão na 52ª edição da Maratona Aquátic