Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MANILLÊ


Por: André Montandon

Cantora e compositora, Manillê, tem a música correndo em suas veias desde cedo, tendo nos videoclipes uma grande influência. Mas a decisão de trocar uma "vida cotidiana" para investir no sonho de brilhar nos palcos, aconteceu durante a faculdade.

Esse ano, ela chegou com tudo e emplacou logo de cara o hit "Não vai ter Jeito", que já conta com mais de 5 mil visualizações no seu canal no Youtube.  

Confira a seguir, a nossa entrevista com um dos novos nomes da música uberabense, Manillê:

- Como a música entrou em sua vida?

Manillê - A música sempre esteve na minha vida, desde que eu me lembro eu assistia clipes no orkut e tinhas videos salvos no meu computado antigo. O visual sempre me chamou atenção, então sempre fui apaixonada pelos vídeos das faixas e toda a construção audiovisual que acompanhava as canções. Não tem um dia sequer que eu não escute a minha playlist, seja quando estou no ônibus ou no momento que faço meus exercícios. 

- Em que momento você decidiu que era isso que queria, investir na carreira artística?

Manillê - Acredito que tenha sido no terceiro período da minha faculdade de audiovisual. As disciplinas começaram a ficar técnicas demais e eu fui me dando conta de que eu não queria trabalhar atrás das câmeras e sim de frente pra elas. Decidi que não tinha sentido eu viver fazendo algo que eu não sou apaixonada, indo dormir todo dia imaginando algo que nunca se realizaria. Foi a melhor escolha que eu já tomei na vida!


- Como foi o processo de escolha do nome artístico?  

Manillê - Eu sempre quis que começasse com “M”, gosto dessa letra. Determinei que seria “Manila” mas logo descobri que já existia uma drag com esse nome, coloquei um “L” a mais e o “E” no final. Assim ficou um nome unissex e que agradou a todos. 

- Quais são as suas principais referências na cena musical?  

Manillê - Acredito que a Pabllo Vittar abriu muitas portas aqui no Brasil, ela apareceu nos grandes canais de televisão e as músicas dela tocaram na rádio como grandes sucessos. Por ser uma figura drag que conquistou tudo isso, ela me inspira muito a correr atrás do meu sonho. Sem contar no fato que o sucesso dela se iniciou aqui pertinho, em Uberlândia.

- Como foi o processo de composição e produção do single "Não vai ter jeito"?

Manillê - Eu escrevi “Não Vai Ter Jeito” quando eu trabalhava na minha antiga faculdade. O setor tinha dias que era meio “parado” e eu comecei a anotar umas ideias de versos nos bloquinhos de anotações que a gente usava. Quando surgia uma ideia de melodia eu ia no banheiro e gravava com o meu celular pra não me esquecer. Procurei um produtor musical e viajei pra Uberlândia pra discutir e gravar a faixa, demorou mas valeu muito a pena. Quando eu ouvi pela primeira vez a música pronta foi uma das sensações mais loucas da minha vida. 

- Você esperava tanto sucesso já em seu primeiro lançamento?

Manillê - Eu esperava surpreender as pessoas positivamente com o meu trabalho, mas não esperava tantas visualizações. Tenho muita sorte de ter muitos amigos que acreditaram em mim e me ajudaram a divulgar esse projeto, sem eles eu não teria nem metade dos resultados que consegui. Fiquei muito feliz com o alcance que teve a minha estreia.


- Como está o seu processo criativo nesse momento de isolamento social devido a pandemia do COVID-19? Tem previsão de lançamento de novos hits ou EP para esse ano?

Manillê - A quarentena muitas vezes acaba com o meu dia, mas não com todos eles haha. Estou compondo bastante, as ideias aparecem pra mim e eu não estou deixando passar nada batido. Tenho algumas faixas escritas e outras em fase de produção, mas a pandemia deixa qualquer processo mais lento. Eu quero muito lançar música ainda este ano, é uma das minhas metas. Quanto a lançar um EP, eu gosto BASTANTE dessa ideia. 

- Para finalizar, manda um recado para galera que é fã do seu trabalho e está ligado no zebunarede.com. 

Manillê - Olá galera do zebu na rede, Manillê tá só começando e vai ter muita novidade pra vocês em breve. Fiquem ligadinhos nas minhas redes sociais, porque eu estou trabalhando MUITO em novos projetos pra todos os públicos. Se cuidem e usem máscara! 😘😘



Curtiu esse entrevista?
Quer saber mais sobre a artista?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - TUYO

Por: André Montandon Um dos principais nomes da música independente da atualidade, retornou à Uberaba no dia 15 de abril, a convite do Laboratório 96, para um show super especial em comemoração ao 6 anos deste importante espaço cultural, no Teatro Sesi Minas. Mesmo em meio a "turbulência" provocada pela pandemia da Covid-19, Jean Machado e as irmãs Lilian (Lio) e Layane Soares (Lay) , apresentaram ao público em 2021, o seu terceiro álbum  - "Chegamos Sozinhos em Casa", que foi recebido com muito carinho pelos fãs e pela crítica especializada. O reconhecimento deste novo trabalho foi confirmado com indicações ao Prêmio Multishow na categoria “Canção do Ano” com a música “Sonho da Lay” e ao Grammy Latino na categoria "Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa". Única banda brasileira a integrar o show de abertura do Festival South by Southwest 2022 (SXSW), realizado em março, a Tuyo agora apresenta um novo registro de sua ida a Austin, no Texa

CONQUISTAS UBERABENSES NA PETECA, KARATÊ E HANDEBOL

  Neste sábado (04), o grande  Reginaldo Damião  sagrou-se campeão na categoria Kumite - classe Master (41 a 50 anos) 75 kg+, da etapa final do Campeonato Mineiro de Karatê , realizado em Araguari/MG. Um título de superação do atleta, após passar por uma grave lesão no braço. Com a conquista da medalha de ouro, Damião classificou-se para o Campeonato Brasileiro que será realizado em dezembro, em Caucaia/CE.  Foto:  facebook.com/reginaldodamiao Já no domingo (05) em Rio Verde/GO, a fera  Douglas Silva conquistou ao lado Delgado e Rafael, a categoria adulto (1ª classe) da  Copa do Brasil de Peteca , superando por 2 sets a 0 (25/22, 25/16) a jovem dupla Fernandinho e Luan. Em seguida, foi a vez de seu pai José Adolfo  que baixo de categoria (atleta 60+), garantir ao lado de Ricardo Moído e Adalto, o título da categoria 50+.  Pódio  da categoria adulto (1ª classe) à esquerda. Douglas e seu pai José Adolfo à direita.  Foto:  facebook.com/douglassilva Ainda no domingo, Uberaba foi palco da L