Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MANILLÊ


Por: André Montandon

Cantora e compositora, Manillê, tem a música correndo em suas veias desde cedo, tendo nos videoclipes uma grande influência. Mas a decisão de trocar uma "vida cotidiana" para investir no sonho de brilhar nos palcos, aconteceu durante a faculdade.

Esse ano, ela chegou com tudo e emplacou logo de cara o hit "Não vai ter Jeito", que já conta com mais de 5 mil visualizações no seu canal no Youtube.  

Confira a seguir, a nossa entrevista com um dos novos nomes da música uberabense, Manillê:

- Como a música entrou em sua vida?

Manillê - A música sempre esteve na minha vida, desde que eu me lembro eu assistia clipes no orkut e tinhas videos salvos no meu computado antigo. O visual sempre me chamou atenção, então sempre fui apaixonada pelos vídeos das faixas e toda a construção audiovisual que acompanhava as canções. Não tem um dia sequer que eu não escute a minha playlist, seja quando estou no ônibus ou no momento que faço meus exercícios. 

- Em que momento você decidiu que era isso que queria, investir na carreira artística?

Manillê - Acredito que tenha sido no terceiro período da minha faculdade de audiovisual. As disciplinas começaram a ficar técnicas demais e eu fui me dando conta de que eu não queria trabalhar atrás das câmeras e sim de frente pra elas. Decidi que não tinha sentido eu viver fazendo algo que eu não sou apaixonada, indo dormir todo dia imaginando algo que nunca se realizaria. Foi a melhor escolha que eu já tomei na vida!


- Como foi o processo de escolha do nome artístico?  

Manillê - Eu sempre quis que começasse com “M”, gosto dessa letra. Determinei que seria “Manila” mas logo descobri que já existia uma drag com esse nome, coloquei um “L” a mais e o “E” no final. Assim ficou um nome unissex e que agradou a todos. 

- Quais são as suas principais referências na cena musical?  

Manillê - Acredito que a Pabllo Vittar abriu muitas portas aqui no Brasil, ela apareceu nos grandes canais de televisão e as músicas dela tocaram na rádio como grandes sucessos. Por ser uma figura drag que conquistou tudo isso, ela me inspira muito a correr atrás do meu sonho. Sem contar no fato que o sucesso dela se iniciou aqui pertinho, em Uberlândia.

- Como foi o processo de composição e produção do single "Não vai ter jeito"?

Manillê - Eu escrevi “Não Vai Ter Jeito” quando eu trabalhava na minha antiga faculdade. O setor tinha dias que era meio “parado” e eu comecei a anotar umas ideias de versos nos bloquinhos de anotações que a gente usava. Quando surgia uma ideia de melodia eu ia no banheiro e gravava com o meu celular pra não me esquecer. Procurei um produtor musical e viajei pra Uberlândia pra discutir e gravar a faixa, demorou mas valeu muito a pena. Quando eu ouvi pela primeira vez a música pronta foi uma das sensações mais loucas da minha vida. 

- Você esperava tanto sucesso já em seu primeiro lançamento?

Manillê - Eu esperava surpreender as pessoas positivamente com o meu trabalho, mas não esperava tantas visualizações. Tenho muita sorte de ter muitos amigos que acreditaram em mim e me ajudaram a divulgar esse projeto, sem eles eu não teria nem metade dos resultados que consegui. Fiquei muito feliz com o alcance que teve a minha estreia.


- Como está o seu processo criativo nesse momento de isolamento social devido a pandemia do COVID-19? Tem previsão de lançamento de novos hits ou EP para esse ano?

Manillê - A quarentena muitas vezes acaba com o meu dia, mas não com todos eles haha. Estou compondo bastante, as ideias aparecem pra mim e eu não estou deixando passar nada batido. Tenho algumas faixas escritas e outras em fase de produção, mas a pandemia deixa qualquer processo mais lento. Eu quero muito lançar música ainda este ano, é uma das minhas metas. Quanto a lançar um EP, eu gosto BASTANTE dessa ideia. 

- Para finalizar, manda um recado para galera que é fã do seu trabalho e está ligado no zebunarede.com. 

Manillê - Olá galera do zebu na rede, Manillê tá só começando e vai ter muita novidade pra vocês em breve. Fiquem ligadinhos nas minhas redes sociais, porque eu estou trabalhando MUITO em novos projetos pra todos os públicos. Se cuidem e usem máscara! 😘😘



Curtiu esse entrevista?
Quer saber mais sobre a artista?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - YSAAC & K.OLIVER

  Por: André Montandon Parceiros de longa data, Ysaac e K.Oliver seguem como eles mesmos dizem: "contrariando as estatísticas". Com muita luta, força, foco e fé, a dupla desenvolve o seu trabalho. E podemos dizer que já são referências em Uberaba e região. Além da carreira solo, eles participam de outros projetos ao lado de feras da cena local, com a Família BMX. Sempre em constante movimento, eles lançaram no mês de maio, o álbum que carrega em seu título o lema da dupla  "Contrariando as Estatísticas", produzido e gravado em São Paulo, conta com vídeo clipe em todas as faixas. Aproveitando o lançamento, batemos um papo com eles. Confira a seguir: - Para começar a nossa entrevista, gostaríamos de saber um pouco mais sobre o processo de produção/gravação do novo álbum? Ysaac/K.Oliver -  Salve família. Máximo Respeito. O processo de produção e gravação do nosso álbum ele veio com muita luta e muita história porque algumas músicas deste álbum duas ou três músicas eu

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Furtado Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo" , contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta" , com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apres