Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - ČAO LARU


Por: André Montandon

A banda Franco-Brasileira, formada por quatro brasileiros e duas francesas, vem rodando o mundo em uma Kombi e Motorhome desde 2016. Os músicos se conheceram em Rennes, na França, e desde então, já passaram por mais de 20 países; Lançaram em 2016, o EP “Čao Laru  e o disco, “Kombiphonie”, em 2017.  No ano passado, a turnê deste álbum rendeu mais 150 shows, no Brasil (inclusive em Uberaba), Argentina, Chile, França e Suíça.

Agora, o grupo está na estrada divulgando o seu 2º disco, "Fronteiras", no qual refletem sobre as barreiras que nos separam a partir das vivências que os músicos tiveram nos países que visitaram. E nesse sábado, dia 20 de abril, teremos o prazer de conferir de perto esse belo trabalho, com a apresentação da banda no Cine Teatro Vera Cruz, às 20h, com entrada gratuita. Aproveitamos essa visita, para bater um papo com o baterista e produtor desse disco, Felipe Trez. Confira:

- Como tudo começou e quando vocês decidiram se unir para desenvolver esse projeto?

Felipe Trez - O grupo começou na França num mestrado de pedagogia musical que forma músicos interventores, ou seja, preparados para lidar com performance e educação pra públicos dos mais diferentes: escolas regulares, creches, APAEs, prisões, asilos, etc. E saindo desse curso o grupo que já tocava e produzia junto decidiu botar o pé na estrada e seguir o sonho de viajar, conhecer culturas, lugares, povos e poder fazer isso com o que mais gostavam e sabiam fazer que é a música.

- Toda essa riqueza cultural, colabora com a identificação do publico com o som da banda?

Felipe Trez - Acredito que essa riqueza que o grupo vai "amalgamando" pelos caminhos em que passa e pelos integrantes de diferentes culturas que passam pelo grupo traz sim uma identificação com o público. Cada integrante do grupo carrega uma identidade única e ao mesmo tempo um desejo de se misturar com as outras, assim acho que a Cao Laru acaba obrigatoriamente ganhando esse aspecto "plural" que permite ao público perceber que é possível que qualquer pessoa possa caber alí dentro, que o grupo abriga o diferente.

- Conte-nos um pouco sobre o processo de produção do novo álbum (Fronteira), e das influências sonoras que envolvem esse trabalho?

Felipe Trez -  O Fronteiras mostra a transição do grupo, de uma banda que fazia música acústica, que começou tocando na rua, para uma banda que foi crescendo e se amplificando cada vez mais, agora trazendo a eletrificação dos instrumentos sem perder a mistura com a característica "acústica" dos mesmos. Marca um grupo mais ciente de como se projetar sonoramente e explorando mais e mais possibilidades de usar dos recursos elétricos e eletrônicos pra expandir seus horizontes. Além disso, é um disco que saiu como uma necessidade de por para fora muitas angústias e reflexões do que vemos pelas ruas e que nem sempre é só paisagens e belezas, portanto um disco mais critico e político, que veio como uma necessidade de se falar sobre isso, sobre o que o mundo anda vivendo, de bom, de ruim e tentando manter a chama da esperança acesa!



- O que podemos esperar dessa nova apresentação em nossa cidade?

Felipe Trez - O show "Fronteiras" trás muitas dessa reflexões levantadas pelo disco mas com a vivacidade do músico presente, do visual e daquilo que passa de olho no olho. Um show que tenta por principio diluir uma das fronteiras com as quais nos deparamos frequentemente, a barreira entre os artistas e o público! Um show com canções cantadas em português, francês e espanhol mas que traz sobretudo uma linguagem sem palavras, coisas que a música fala por si.

Curtiu esse entrevista?
Quer saber mais sobre o Cao Laru? 
Acesse:
Mais informações sobre essa super apresentação em Uberaba em:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BATE-PAPO COM JOÃO CARLOS NOGUEIRA

Por: André Montandon

João Carlos Paranhos Nogueira é um dos grandes nomes do esporte uberabense. Seu currículo é inspirador, abrange prêmios de destaque do ano, participações e títulos em importantes competições do país. Fera na natação, no triatlo e na maratona aquática, João começou a praticar esporte bem cedo, aos seis anos de idade. 
Nas piscinas, são vários pódios, destaque para os títulos no Circuito Brasil e Circuito Paraolímpico. Em 2011, iniciou no Paratriathlon, também conseguindo bons resultados, como a Copa Brasil de 2018. Em 2014, começou na maratona aquática, com diversos títulos na categoria PCD  e sempre estando entre os melhores também contra nadadores sem deficiência, na categoria master. Medalhas em eventos importantes como no Desafio Aquaman, no Circuito de Maratona Aquática do Estado de São Paulo, na Travessia dos Fortes e o Circuito Rei e Rainha do Mar. No ano passado, mais um feito marcante em sua carreira, foi campeão na 52ª edição da Maratona Aquática 14 Bis, …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - BANDA OUTUBRO

Por: André Montandon


Nascida no seio universitário de Uberaba - MG, a banda surgiu com um objetivo bem definido: trabalhar com músicas próprias. Os tempos de Universidade se foram, mas o processo criativo do grupo continuou efervescente e cada vez mais maduro. O estilo é composto por elementos FOLK e ROCK, tendo no estilo poético de escrever e interpretar, um grande diferencial e motivo de identificação imediata com o público.

A iniciativa de formar a banda, que, no início chamava-se DIXIE ELVIS, partiu de Claudio Zeferino, que, ao procurar músicos e compositores para dar vida às suas poesias e poemas, encontrou o músico e compositor Denis Oliveira. Juntos convidaram os músicos Augusto Rischitelli, Alfredo Liduário, Luiz Augusto Reggiane e André Azevedo “Cabelo” (que logo daria lugar a Marcos Valle), fundando a Banda Outubro no ano de 1996.

Antes do lançamento de seu primeiro álbum, a banda grava o videoclipe da canção "Mais Pesado Que Céu", que para a surpresa de todos, ent…