Pular para o conteúdo principal

UBERABENSES FAZEM HISTÓRIA NAS PARALIMPÍADAS DO RIO 2016


As medalhas não apareceram, mas todos os uberabenses que participaram dos Jogos Paralímpicos Rio-2016, fizeram história na maior competição do planeta.

Foto: Reprodução da internet

Único brasileiro na disputa individual da classe BC1 de bocha, José Carlos Chagas chegou às quartas de final. Empurrado pelo público caloroso, que incentivou o tempo todo na Arena Carioca 2, ele fez bonito e chegou a vencer nos finais dos "ends", mas acabou não resistindo à estratégia de bolas longas do português Antonio Marques. Com a virada, o resultado final foi de 4 a 3 para o português.

José Humberto Rodrigues (conhecido como Batata), também fez bem na final do lançamento de dardo masculino – classe F54/F53, ficando em quarto lugar. Foi o brasileiro melhor colocado na modalidade, alcançando 23m41 – apenas 15 cm a menos do que o terceiro colocado (bronze).

Poliana Sousa também marcou seu nome na competição mundial. Foi a brasileira melhor colocada na final do lançamento de dardo feminino F53/F54, com a quinta colocada na disputa. 

Raíssa Rocha Machado, ficou em sexto lugar na final do lançamento de dardo da classe F56 , com a marca de 18m57, sendo a brasileira melhor colocada nesta modalidade. Na primeira etapa do aberto de paratletismo, no Rio de Janeiro, evento que antecedeu a Paralimpíada Rio-2016, Raíssa foi ouro no lançamento de dardos e bateu o próprio recorde nacional com a marca de 19m22.

Parabéns aos atletas da Adefu, José Carlos Chagas, José Humberto Rodrigues, Raíssa Rocha e Poliana de Jesus, e para os técnicos Janaína Pessato Jerônimo, Nivaldo Batista e Higor Fiorine.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FIQUE LIGADO NA AGENDA CULTURAL

BATE-PAPO COM O TENISTA JOÃO MENEZES

Por: André Montandon


Com apenas 22 anos, João Menezes já é um dos principais nomes do tênis brasileiro. Vivendo o seu melhor momento na carreira, o uberabense ocupa atualmente a 210º posição no ranking mundial da ATP (Associação de Tenistas Profissionais), sendo o terceiro melhor brasileiro. Apaixonado pelo esporte, o atleta contou com a influência e o apoio da família no desenvolvimento no tênis. Agora com a conquista da medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos, busca alcançar grandes títulos e chegar forte nas Olimpíadas de Tokio 2020.
Mas nem sempre foi assim. João passou por momentos difíceis nessa trajetória, pensando até em abandonar o esporte devido a resultados que não vinham e principalmente, pelas três cirurgias no joelho esquerdo e uma lesão na coluna. Mas, pelo apoio do pai, seu grande incentivador, ele retomou os treinamentos em busca dos seus sonhos. 
Confira o nosso bate-papo com esse grande atleta uberabense:
- João, quando começou o seu interesse pelo tênis; os primeir…