Pular para o conteúdo principal

Prédios históricos de Uberaba vão pelo mundo em miniaturas

Com várias exposições marcadas para os próximos dias, as obras de José Eduardo de Araújo estão cada vez mais conhecidas. Entre as principais estão prédios históricos de Uberaba, como a Igreja Santa Rita e o Palácio do Bispo, que, segundo ele, são peças bastante comercializadas principalmente por turistas de vários cantos do país, como do Rio Grande do Sul, e também do exterior, como o caso de uma turista de Portugal que fez questão de levar uma peça para casa e guardar como lembrança da cidade que visitou. 

José Eduardo se tornou um profissional da arte de miniatura em 2001, quando veio de São Paulo para Uberaba. “Sempre gostei de construções antigas e, assim que cheguei a Uberaba, me apaixonei pela cidade e os prédios que vi. A partir daí fui convidado a fazer a primeira exposição e nela levei algumas réplicas dos casarões da cidade, no início foram 12 prédios. Esse trabalho me trouxe bons resultados, passei a receber várias encomendas e, paralelo a isso, criamos uma linha de minicomércio, em que montamos miniaturas de padarias, bares, farmácias, entre outros estabelecimentos. E também de profissões, bonecos dentistas, advogados, entre outros”, explica.

Hoje a maior clientela do artesão são os comerciantes, que querem expor na sua loja uma réplica em miniatura do estabelecimento, pessoas de várias cidades do país fazem encomendas. Muitos também querem presentear um amigo ou um parente, eternizando a imagem de uma casa antiga em que morou, por exemplo. Entre os monumentos históricos, José Eduardo já fez a fachada do Museu de Diamantina, do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Em Uberaba, além da Igreja de Santa Rita e o Palácio do Bispo, fez também a fachada do Parque Fernando Costa, o prédio da Câmara Municipal, casarões da rua Major Eustáquio, entre outras peças.

Quanto aos preços, José Eduardo não esconde que algumas são mais trabalhadas, por isso são mais caras. Ele explica ainda que existem duas linhas, as réplicas, que são trabalhos mais detalhados, demorados e, em alguns casos, demoram pelo menos 30 dias para ser montados, por isso o preço não é tão acessível ao bolso de todos. Já a linha da arte popular, que são os minicomércios e os bonecos das profissões, são peças mais em conta que variam entre R$38 e R$300. “São peças bastante interessantes, cheias de detalhes, feitas com a ajuda da minha, Sandra Monteiro. E o mais importante é que leva o nome de Uberaba a várias cidades do país e até mesmo para o exterior, como uma turista que levou para casa a miniatura da Igreja Santa Rita. E desta forma outros vão conhecendo os nossos monumentos”, explica o artesão.

Além das encomendas, o artesão está cheio de trabalhos. No dia 21 de fevereiro, participará da abertura, às 19h30, da Exposição 194 anos de Uberaba, que conta com apoio da ABCZ/Museu do Zebu. Na oportunidade, o artesão irá expor várias peças de miniaturas.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BATE-PAPO COM JOÃO CARLOS NOGUEIRA

Por: André Montandon

João Carlos Paranhos Nogueira é um dos grandes nomes do esporte uberabense. Seu currículo é inspirador, abrange prêmios de destaque do ano, participações e títulos em importantes competições do país. Fera na natação, no triatlo e na maratona aquática, João começou a praticar esporte bem cedo, aos seis anos de idade. 
Nas piscinas, são vários pódios, destaque para os títulos no Circuito Brasil e Circuito Paraolímpico. Em 2011, iniciou no Paratriathlon, também conseguindo bons resultados, como a Copa Brasil de 2018. Em 2014, começou na maratona aquática, com diversos títulos na categoria PCD  e sempre estando entre os melhores também contra nadadores sem deficiência, na categoria master. Medalhas em eventos importantes como no Desafio Aquaman, no Circuito de Maratona Aquática do Estado de São Paulo, na Travessia dos Fortes e o Circuito Rei e Rainha do Mar. No ano passado, mais um feito marcante em sua carreira, foi campeão na 52ª edição da Maratona Aquática 14 Bis, …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - RENATO CALANGO

Por: André Montandon O músico, compositor, poeta, interprete e produtor Renato Calango tem a música em seu DNA.Juntamente com outros talentosos artistas criaram o Movimento Calango. A intenção do Movimento e dos que o vivenciam, é criarem composições musicais em vários estilos diferentes, agregando a maior diversidade de sonoridade possível, buscando uma alta carga de liberdade criativa sem se desligarem das suas ecléticas preferências e influências musicais, culturais, artísticas e ideológicas.Tem a característica de ser uma proposta artístico-musical aberta, na tentativa de realizar as mais diversas parcerias com os mais diferentes tipos de artistas e pensadores, tanto para compor, quanto para produzir e se apresentar ao vivo.Não seguem nenhum estilo musical, mas caminham por vários deles, desde que seja uma proposta artística viável, de bom gosto, harmoniosa ou até mesmo quando estiver fora da “beleza” convencionalmente imposta. Tentam, na medida do possível, se despir de pré-concei…