Pular para o conteúdo principal

Rebeldes sem causa

Durante essas semanas foi noticiado o protesto dos estudantes da USP (Universidade de São Paulo) contrários a presença dos policíais militares no campus. Isso tudo começou devido uma abordagem realizadas pelos PMs no dia 27 de outubro a três estudantes no campus por porte de maconha na quinta-feira da semana passada e tentou levar os usuários detidos. Os policiais usaram gás lacrimogênio, e alunos teriam ficado feridos após confronto. Foi o detalhe que faltava para iniciar todo o conflito.  


Foto: TIAGO QUEIROZ/AE - blogs.estadao.com.br

Foto: TIAGO QUEIROZ/AE - blogs.estadao.com.br

Primeiro, os alunos ocuparam o prédio da FFLCH. Depois, em assembléia, decidiram ir para a reitoria. A invasão aconteceu por parte de um grupo descontente com a resultado de uma votação em assembleia que decidiu, na terça-feira, por 559 votos a 458, encerrar a ocupação do prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). O grupo deslocou o portão de trás do edifício da Administração Central, usando paus, pedras e cavaletes, e em poucos minutos chegou ao saguão principal do prédio.

Os alunos querem a revogação do convênio firmado entre a USP e a Polícia Militar para fazer a segurança na Cidade Universitária e a retirada de processos administrativos e criminais movidos contra alunos e funcionários pela instituição. De acordo com os manifestantes, esses processos são políticos, impetrados pela USP para intimidar o movimento estudantil. Na assembléia de terça-feira também foi decidido apoio aos 72 estudantes presos, sem que sofram retaliação.

Será que a ação práticada pelos policiais foi dura?

Acerditamos que, uma institução de ensino, seja ela qual for, pública ou privado, de ensino superior ou não, é um ambiente de apredizagem, sendo assim atos de vandalismo, "quebra-quebra", devem sim ser repreendidos.

Os movimentos estudantis tem o papel de lutar por uma sociedade mais justa, em busca da qualidade de ensino, oportunidade no mercado de trabalho a todos, de diminuir a desigualdade social. Todas as manifestações e protesto devem ser feitos de formas pacífica e com um objetivo claro.

Chega de atos promocionais e sem fundamentos de rebeldia sem causa, vamos lutar por uma país melhor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - YSAAC & K.OLIVER

  Por: André Montandon Parceiros de longa data, Ysaac e K.Oliver seguem como eles mesmos dizem: "contrariando as estatísticas". Com muita luta, força, foco e fé, a dupla desenvolve o seu trabalho. E podemos dizer que já são referências em Uberaba e região. Além da carreira solo, eles participam de outros projetos ao lado de feras da cena local, com a Família BMX. Sempre em constante movimento, eles lançaram no mês de maio, o álbum que carrega em seu título o lema da dupla  "Contrariando as Estatísticas", produzido e gravado em São Paulo, conta com vídeo clipe em todas as faixas. Aproveitando o lançamento, batemos um papo com eles. Confira a seguir: - Para começar a nossa entrevista, gostaríamos de saber um pouco mais sobre o processo de produção/gravação do novo álbum? Ysaac/K.Oliver -  Salve família. Máximo Respeito. O processo de produção e gravação do nosso álbum ele veio com muita luta e muita história porque algumas músicas deste álbum duas ou três músicas eu

UBERABENSES SÃO CONVOCADOS PARA AS PARALÍMPIADAS DE TÓQUIO

  Ercileide da Silva , José Carlos Chagas e Poliana Sousa  da Associação dos Deficientes Físicos de Uberaba - Adefu, foram convocados  pelo Comitê Paralímpico Brasileiro - CPB  na tarde desta terça-feira (6), para os  Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 . Ercileide e Zé Carlos competem pela classe BC4 e BC1  da bocha, respectivamente. Já Poliana pela classe F54 do lançamento de dardo. Foto:  @funel.uberaba Não poderíamos deixar de destaque também, a convocação da uberabense e ex-paratleta da Adefu, Raissa Rocha Machado . Que hoje integra a equipe do Instituto Elisângela Maria Adriano -  IEMA   , de São Caetano do Sul-SP. Raissa é atleta da classe F56 do lançamento de dardo. Foto:  @raissarochamachado Foram ao todo 253 convocados, maior delegação brasileira para uma edição dos Jogos fora do Brasil. O número só é superado pela participação nos Jogos Rio 2016, já que o Brasil garantiu vagas em todas as modalidades por ser país sede e contou 286 atletas no total. Os Jogos de Tokyo 2020, ser