Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - BROKEN JAZZ SOCIETY


Por: André Montandon e Verônica Furtado

Felipe, Matheus e João. Foto: Gustavo Vargas



Para começar o ano com o pé direito, batemos um papo com o Broken Jazz Society, que está completando 5 anos de estrada. Desde a sua formação no final 2013, o trio vem apresentando a sua identidade musical, qualidade sonora e muito rock na veia!! 

O primeiro álbum, “Tales From Purple Land”, lançado em 2014, rendeu bons frutos à banda: shows pela região, resenhas e boas histórias. Dois anos depois, apresentaram ao publico o EP “Gas Station”, com uma roupagem menos lo-fi e mais centrado nos sons de guitarra e baixos recheados de fuzz, recebendo calorosos elogios da imprensa especializada no Brasil. Ainda em 2016, a banda conquistou o Sete Sounds Festival, evento da Radio Sete Colinas FM.

Atualmente, a banda formada por Mateus Graffunder (guitarra/vocal), João Fernandes (baixo) e Felipe Araújo (bateria) está em divulgação do novo álbum, “Rubber Talk", disponível nas principais plataforma digitais. Confira a nossa entrevista com BJS:

Como surgiu a ideia e qual significado do nome da banda, houve um consenso ou foi um processo longo de escolha?

Broken Jazz Society - A escolha do nome foi influenciado pela proposta da banda. Tentamos fugir de quaisquer normas e convenções. Nosso foco sempre foi fazer um som verdadeiro, para nós e para quem mais quiser ouvir. O "jazz quebrado", nada mais é que uma brincadeira com essa direção oposta ao rebuscamento do estilo. Gostamos de lo-fi e sujeira.

Apresentação no Stereo Lab Festival (2017). Foto: Equipe zebunarede.com
O Broken Jazz Society é uma das referencias da música autoral de Uberaba. Como vocês enxergam a cena independentes da cidade?

Broken Jazz Society - Uberaba é uma cidade muito acima da média quando o assunto é música. Na verdade, aqui tem tanta coisa boa, que fica até difícil acompanhar tudo. Infelizmente, grande parte destes excelentes músicos e do material que eles produzem, ainda são ofuscados pela falta de interesse do público em geral.

Essa pergunta chega a ser um clichê, mas, não poderíamos deixar de fazer. Porque escolheram o inglês como idioma para as canções? 

Broken Jazz Society - Acho que o inglês aconteceu naturalmente... Escutamos muitas bandas de fora e tocamos o que gostamos, então nada mais natural que cantar em inglês. 

No segundo semestre de 2017, vocês lançaram o álbum “Rubber talk”, que foi bem recebido pelo público. Conte-nos um pouco sobre o processo de produção desse trabalho e as suas diferenças com os anteriores.

Broken Jazz Society - Rubber Talk foi um álbum diferente em quase todos os aspectos em relação aos nossos trabalhos anteriores. Foi nosso primeiro Full-lenght gravado em um estúdio (nosso álbum anterior, Tales From Purple Land, foi gravado na casa de um amigo, em um Ipad), então da captação até a master foram experiencias novas. Gravamos em Goiânia, com nosso amigo e grande produtor, Gustavo Vazquez. Chegamos lá com quase tudo já pronto e registramos durante 10 dias contínuos. É um trabalho mais experimental e conceitual. Uma espécie de ópera rock, onde todas as músicas se relacionam e contam uma história.


Entramos em um ano muito especial para banda, o Broken Jazz Sociaty, completa 5 anos de muito trabalho, shows e reconhecimento. Qual é o balanço feito até aqui e as perspectivas para o futuro?

Broken Jazz Society - Estamos muito satisfeitos como nosso trabalho! Conhecemos tanta gente e tantos lugares. Aprendemos tanta coisa e passamos pelos mais inimagináveis "apertos". Ainda não sabemos o que o futuro reserva, mas podemos garantir que tem muito som e muito show pela frente. É o mínimo que podemos fazer em retribuição à tanta coisa boa.

Muito obrigado pela oportunidade! Grande abraço!

Curtiu a entrevista? Quer saber mais sobre o Broken Jazz Society? Acesse:

www.brokenjazzsociety.wixsite.com/brokenjazzsociety
www.facebook.com/brokenjazzsociety
www.soundcloud.com/broken-jazz-society
www.instagram.com/brokenjazzsociety
www.youtube.com/user/brokenjazzsociety


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MANÉ GALINHA

  Por: André Montandon Em uma mistura perfeita de ritmos baseada na herança afro ao redor do mundo, que une pop, axé, funk, samba, rock, disco, soul, R&B e groove, o  Mané Galinha (nome em referência ao famoso personagem do filme Cidade de Deus), criou um estilo próprio e um repertório vasto, com a identidade e diversidade exata, proporcionando ao público um clima envolvente de festa, alegria e celebração. Além das canções, hits e clássicos da cultura Black Music. A versatilidade também é uma marca do grupo. Que desenvolveu diversos formatos para atender a todos os gostos e os mais diversos eventos. Em comemoração aos 4 anos de estrada, estão lançando nesta sexta-feira (19), o seu primeiro EP - intitulado de "Pra Elas". Aproveitando esse momento especial da banda, batemos um papo com eles para saber um pouco mais da trajetória, do EP e das novidades. Confira 😉 - Para iniciar, vamos falar sobre a trajetória do grupo. Sua formação, principais referências músicas, como tud

DA SÉRIE: A ARTE EM TEMPOS DE CORONAVÍRUS (PARTE VIII) 🎨😅

  🖼Obra original: "Mona Lisa" de Leonardo da Vinci. #arteemtemposdecoronavírus #arte #monalisa #prevenção #vaipracasa #ficaemcasa #covid19 #xocoronavirus #isolamentosocial #quarentena #juntossomosmaisfortes #zebunarede