Pular para o conteúdo principal

Nacional empata e é rebaixado

Não deu para o Nacional! Na tarde deste domingo, o Alvinegro empatou com a Patrocinense, por 2 x 2, no estádio Júlio Aguiar, em Patrocínio, resultado que mandou o clube uberabense para a Terceirona do Mineiro.

Foi a última rodada da primeira fase do Módulo II do Estadual. Os dois times ficaram com 7 pontos cada, e o Naça, com saldo de gols inferior, foi rebaixado.
 
O jogo – O técnico Jordan de Freitas mandou a campo uma formação com três zagueiros e três atacantes. Como só a vitória interessava, o Elefante foi logo pra cima do adversário.

Depois de chances de Obina para os visitantes e de Júnior Carioca para os mandantes, aos 10 minutos pintou um golaço. Para o Nacional. Boa troca de passes, Obina fez o pivô e o camisa 10 Delsinho acertou lindo chute no ângulo.

O início era promissor. Mas, um minuto depois de abrir o placar, o Naça ficou com um jogador a menos. Peterson entrou duro e levou cartão vermelho direto.

Aí a Patrocinense é que partiu com tudo pro ataque. Lukinha perdeu ótima ocasião, dominou tirando da marcação e chutou, mas mandou por cima. Jordan sacou Obina e colocou o volante Jonathan Andrade.

A Águia ameaçou em tabela. Do outro lado, Léo Porto desperdiçou de cabeça e, depois, em chance mais clara ainda, disparou pela esquerda, invadiu a área e, sem ângulo, bateu na rede, por fora. Lineker ficou louco pedindo a bola no meio.

A equipe da casa voltou à carga. Na disputa na área, Levi derrubou Deivison, mas o juiz ignorou o pênalti. Aos 34, o empate. E que golaço! Baía, que tinha acabado de entrar, passou como quis pela marcação na direita, deixou três na saudade e chutou cruzado no ângulo.

E, aos 48, na falta (duvidosa) na entrada da área, Júnior Carioca cobrou tirando da barreira, no cantinho de Fernando, que pulou e não chegou: 2 x 1.

O Nacional voltou pra etapa final com Gean no lugar de Pedro Paulo. Hugo recebe o segundo cartão amarelo e sai expulso. Debaixo de muita chuva, o Elefante até tem algumas oportunidades, mas perde. Giácomo entra no lugar de Delsinho. O time alvinegro, sem qualidade, ia na base da vontade.

Enquanto a torcida grená gritava “olé”, Baía, caindo, no bate-rebate, só não fez mais um por milagre. Aos 30, na furada do beque, Léo Porto, na cara do gol, tocou no canto e empatou.

A Patrocinense assustava em cada ataque. Vinicius aprontou um carnaval, Arthur tirou. O Naça tentou até o fim. Não deu. Com o apito final, a torcida local comemorou como se tivesse conquistado um título. Merecidamente.
 
O rebaixamento veio com essa escalação: Fernando; Peterson, Levi, Arthur, Cacildo; Luiz Antônio, Lineker, Delsinho (Giácomo); Léo Porto, Obina (Jonathan Andrade) e Pedro Paulo (Gean).

Pela Chave B, a rodada teve ainda Araxá 0 x 0 Montes Claros, no Uberabão; e a surra do Mamoré contra o Uberlândia: 6 x 1, em Patos.



 
 VALEU NAÇA, TAMO JUNTO AONDE VOCÊ FOR.............. NAÇA É RAÇA............



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RAFAEL MINEIRO CONQUISTA SEU TERCEIRO NBB

O craque uberabense Rafael Mineiro , chegou ao seu terceiro título no Novo Basquete Brasil - NBB , após a vitória do Flamengo sobre o São Paulo por 93 a 85, nesta quinta-feira (27), no Maracanãzinho. Aplicando a primeira varrida na história das finais, fechando a série em 3 a 0.  Rafa Mineiro comemorando mais um NBB. Foto:  Fanpage Time Flamengo O Flamengo encerrou com chave de ouro uma temporada histórica. Com a incrível marca de 34 vitórias consecutivas e invencibilidade total no ano. Além do heptacampeão do NBB, o Rubro-Negro faturou todas as competições que disputou. Foi campeão do Campeonato Carioca, da Copa Super 8 e do Basketball Champions League Américas. Mineiro e demais atletas na comemoração da Champions Américas. Foto:  @rafaelmineiro7 Mas, não para por aí!!! Conforme já noticiamos, o uberabense concorre ainda a três prêmios individuais da temporada  2020/2021  do NBB.  Nas categorias de Defensor,  Pivô  e Sexto Homem do Ano. A festa dos Melhores do Ano será realizada de fo

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MANÉ GALINHA

  Por: André Montandon Em uma mistura perfeita de ritmos baseada na herança afro ao redor do mundo, que une pop, axé, funk, samba, rock, disco, soul, R&B e groove, o  Mané Galinha (nome em referência ao famoso personagem do filme Cidade de Deus), criou um estilo próprio e um repertório vasto, com a identidade e diversidade exata, proporcionando ao público um clima envolvente de festa, alegria e celebração. Além das canções, hits e clássicos da cultura Black Music. A versatilidade também é uma marca do grupo. Que desenvolveu diversos formatos para atender a todos os gostos e os mais diversos eventos. Em comemoração aos 4 anos de estrada, estão lançando nesta sexta-feira (19), o seu primeiro EP - intitulado de "Pra Elas". Aproveitando esse momento especial da banda, batemos um papo com eles para saber um pouco mais da trajetória, do EP e das novidades. Confira 😉 - Para iniciar, vamos falar sobre a trajetória do grupo. Sua formação, principais referências músicas, como tud