Pular para o conteúdo principal

Naça perde novamente e continua na lanterna do Campeonato

Prossegue o desespero do Nacional no Módulo II do Mineiro. Na noite desta quarta-feira, no Uberabão, o time jogou bem, mas perdeu para o Uberlândia, depois de uma patacoada da zaga alvinegra, que resultou no placar de 1 x 0.

Depois de um primeiro tempo equilibrado, no qual a equipe visitante marcou o gol da partida, a etapa complementar teve o Elefante, com um homem a menos, pressionando e criando chances reais, mas levando azar nas finalizações.
 
Nos outros jogos da rodada, Patrocinense e Araxá ficaram no 0 x 0; e o Mamoré venceu o Montes Claros por 1 x 0.

Faltando quatro rodadas pro fim da primeira fase, o Alvinegro da Rodovia se afunda na última colocação da Chave B, com 3 pontos. O Uberlândia assume a liderança, com 13 pontos, um a mais que o Montes Claros e quatro a mais que o Araxá. A vitória fora de casa levou o Mamoré a 7 pontos. A Patrocinense tem 5.

O próximo adversário do Naça é o Araxá, em duelo no sábado, às 17h, no Fausto Alvim.

O jogo – Nas arquibancadas, embora alguns torcedores não aderissem ao barulho, os batuqueiros não pararam de fazer algazarra.

Chances para os dois times na primeira etapa. A melhor do Nacional veio com Peterson, que encheu o pé. Glayson defendeu.

Em uma lambança incrível da zaga, o Elefante "deu" o gol ao Verdão. No bate-rebate, Fernando Pompéu ainda salvou, mas, na continuação, Levi tirou a bola com a mão, deixando o arqueiro p... da vida - ele estava pronto pra defender. Não teve jeito: cartão vermelho para o camisa 4 e gol de Daniel Morais.

Na volta do intervalo, o técnico Jordan de Freitas promoveu as estreias dos atacantes Léo e Hamilton. Mesmo com um jogador a menos, o Naça foi ao ataque. Glayson defendeu no susto o arremate de Lineker.

O UEC só queria administrar a vantagem e esperar o tempo passar. Mas também ameaçou. Fernando defendeu na bicicleta, defendeu no chute cara a cara, e ainda levou uma no travessão.

Do jeito que dava, os alvinegros pressionavam, insistiam. Não faltou entrega. Quando a bola sobrou limpa para Lineker, ele não chutou: tentou o corte e perdeu, levando a torcida à loucura.

Hamilton mostrou disposição. Lutou muito e quase marcou no chute dentro da área, que foi bloqueado. Apesar de várias faltas, gerando levantamentos para a área, o empate não veio. Uma pena para os 666 torcedores anunciados.

O Nacional atuou com: Fernando Pompéu, Peterson, Wallace, Levi, Dieguinho (Léo); Arthur, Brayan, Rafinha, Lineker; Obina (Hamilton) e Pedro Paulo (Éder).
 
Veja Classificação como esta:
 
 
Fonte: www.jornalreplay.net
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MANÉ GALINHA

  Por: André Montandon Em uma mistura perfeita de ritmos baseada na herança afro ao redor do mundo, que une pop, axé, funk, samba, rock, disco, soul, R&B e groove, o  Mané Galinha (nome em referência ao famoso personagem do filme Cidade de Deus), criou um estilo próprio e um repertório vasto, com a identidade e diversidade exata, proporcionando ao público um clima envolvente de festa, alegria e celebração. Além das canções, hits e clássicos da cultura Black Music. A versatilidade também é uma marca do grupo. Que desenvolveu diversos formatos para atender a todos os gostos e os mais diversos eventos. Em comemoração aos 4 anos de estrada, estão lançando nesta sexta-feira (19), o seu primeiro EP - intitulado de "Pra Elas". Aproveitando esse momento especial da banda, batemos um papo com eles para saber um pouco mais da trajetória, do EP e das novidades. Confira 😉 - Para iniciar, vamos falar sobre a trajetória do grupo. Sua formação, principais referências músicas, como tud

ESTAMOS DE FÉRIAS

Desejamos a todos um feliz Natal 🎅 e um próspero ano Novo 🙌. Que 2021 seja um ano de muita paz🙏, saúde💪, felicidade😁, amor ❤ e vacina 💉 Não esqueça de proteger você e todos a sua volta 😷 Um forte abraço e obrigado pelo apoio sempre 😉