Pular para o conteúdo principal

Naça perde novamente e continua na lanterna do Campeonato

Prossegue o desespero do Nacional no Módulo II do Mineiro. Na noite desta quarta-feira, no Uberabão, o time jogou bem, mas perdeu para o Uberlândia, depois de uma patacoada da zaga alvinegra, que resultou no placar de 1 x 0.

Depois de um primeiro tempo equilibrado, no qual a equipe visitante marcou o gol da partida, a etapa complementar teve o Elefante, com um homem a menos, pressionando e criando chances reais, mas levando azar nas finalizações.
 
Nos outros jogos da rodada, Patrocinense e Araxá ficaram no 0 x 0; e o Mamoré venceu o Montes Claros por 1 x 0.

Faltando quatro rodadas pro fim da primeira fase, o Alvinegro da Rodovia se afunda na última colocação da Chave B, com 3 pontos. O Uberlândia assume a liderança, com 13 pontos, um a mais que o Montes Claros e quatro a mais que o Araxá. A vitória fora de casa levou o Mamoré a 7 pontos. A Patrocinense tem 5.

O próximo adversário do Naça é o Araxá, em duelo no sábado, às 17h, no Fausto Alvim.

O jogo – Nas arquibancadas, embora alguns torcedores não aderissem ao barulho, os batuqueiros não pararam de fazer algazarra.

Chances para os dois times na primeira etapa. A melhor do Nacional veio com Peterson, que encheu o pé. Glayson defendeu.

Em uma lambança incrível da zaga, o Elefante "deu" o gol ao Verdão. No bate-rebate, Fernando Pompéu ainda salvou, mas, na continuação, Levi tirou a bola com a mão, deixando o arqueiro p... da vida - ele estava pronto pra defender. Não teve jeito: cartão vermelho para o camisa 4 e gol de Daniel Morais.

Na volta do intervalo, o técnico Jordan de Freitas promoveu as estreias dos atacantes Léo e Hamilton. Mesmo com um jogador a menos, o Naça foi ao ataque. Glayson defendeu no susto o arremate de Lineker.

O UEC só queria administrar a vantagem e esperar o tempo passar. Mas também ameaçou. Fernando defendeu na bicicleta, defendeu no chute cara a cara, e ainda levou uma no travessão.

Do jeito que dava, os alvinegros pressionavam, insistiam. Não faltou entrega. Quando a bola sobrou limpa para Lineker, ele não chutou: tentou o corte e perdeu, levando a torcida à loucura.

Hamilton mostrou disposição. Lutou muito e quase marcou no chute dentro da área, que foi bloqueado. Apesar de várias faltas, gerando levantamentos para a área, o empate não veio. Uma pena para os 666 torcedores anunciados.

O Nacional atuou com: Fernando Pompéu, Peterson, Wallace, Levi, Dieguinho (Léo); Arthur, Brayan, Rafinha, Lineker; Obina (Hamilton) e Pedro Paulo (Éder).
 
Veja Classificação como esta:
 
 
Fonte: www.jornalreplay.net
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BATE-PAPO COM JOÃO CARLOS NOGUEIRA

Por: André Montandon

João Carlos Paranhos Nogueira é um dos grandes nomes do esporte uberabense. Seu currículo é inspirador, abrange prêmios de destaque do ano, participações e títulos em importantes competições do país. Fera na natação, no triatlo e na maratona aquática, João começou a praticar esporte bem cedo, aos seis anos de idade. 
Nas piscinas, são vários pódios, destaque para os títulos no Circuito Brasil e Circuito Paraolímpico. Em 2011, iniciou no Paratriathlon, também conseguindo bons resultados, como a Copa Brasil de 2018. Em 2014, começou na maratona aquática, com diversos títulos na categoria PCD  e sempre estando entre os melhores também contra nadadores sem deficiência, na categoria master. Medalhas em eventos importantes como no Desafio Aquaman, no Circuito de Maratona Aquática do Estado de São Paulo, na Travessia dos Fortes e o Circuito Rei e Rainha do Mar. No ano passado, mais um feito marcante em sua carreira, foi campeão na 52ª edição da Maratona Aquática 14 Bis, …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - RENATO CALANGO

Por: André Montandon O músico, compositor, poeta, interprete e produtor Renato Calango tem a música em seu DNA.Juntamente com outros talentosos artistas criaram o Movimento Calango. A intenção do Movimento e dos que o vivenciam, é criarem composições musicais em vários estilos diferentes, agregando a maior diversidade de sonoridade possível, buscando uma alta carga de liberdade criativa sem se desligarem das suas ecléticas preferências e influências musicais, culturais, artísticas e ideológicas.Tem a característica de ser uma proposta artístico-musical aberta, na tentativa de realizar as mais diversas parcerias com os mais diferentes tipos de artistas e pensadores, tanto para compor, quanto para produzir e se apresentar ao vivo.Não seguem nenhum estilo musical, mas caminham por vários deles, desde que seja uma proposta artística viável, de bom gosto, harmoniosa ou até mesmo quando estiver fora da “beleza” convencionalmente imposta. Tentam, na medida do possível, se despir de pré-concei…