Pular para o conteúdo principal

Muro em obra de centro esportivo no Cartafina cai pela sétima vez

Pela sétima vez, um dos muros do Centro Esportivo que está sendo construído no Conjunto Cartafina desmoronou. O fato aconteceu na semana passada e os moradores da região estão preocupados, pois basta chover que o muro cai. Além disso, a obra está sendo realizada há mais de um ano.

Segundo os moradores da região, a cada chuva, por mais fraca que seja, um pedaço do muro que faz a proteção do complexo esportivo desmorona, “sem contar que a obra nunca termina, por mais que os funcionários venham toda a semana, de segunda a sábado, o serviço não é concluído. Já faz um ano e dois meses que o complexo está sendo construído”, explica moradora que preferiu ter a identidade preservada. Ela ressalta que todos aguardam a conclusão do serviço para que haja um espaço de lazer no bairro.

De acordo com o engenheiro responsável pela obra, Carlos Manzam, no projeto para a reforma do Centro Esportivo do bairro está a construção de um muro de arrimo para contenção, por ser bem próximo a um barranco. “Porém, para construirmos o muro, estamos enfrentando alguns problemas. As ruas do bairro próximas ao local não têm captação da água de chuva, o que favorece a formação de enxurrada. O outro problema é por conta de uma adutora do Codau que está vazando. Através de análise, descobrimos que existe cloro na água, contribuindo para a instabilidade do muro. Além disso, vale lembrar que uma obra somente está concluída assim que todas as etapas são vencidas. Por exemplo, o concreto leva 28 dias para estar em perfeitas condições. Então, se assim que passar o concreto no muro vier uma enxurrada, o mesmo pode desabar, pois o concreto não atingiu a estabilidade”, explica o engenheiro.

Na manhã de ontem, a equipe do Codau esteve no local para encontrar uma solução e estancar o vazamento. “São etapas que teremos de vencer. Os problemas que acontecem durante a obra precisam ser solucionados. Além disso, vale ressaltar que estes imprevistos não estão gerando gastos para o município, pois a empresa contratada faz os concertos”, afirma Carlos. Ele ressalta que a intenção é solucionar o quanto antes e de forma definitiva esses problemas, para que seja possível concluir a obra.





Isso qué obra de 1ª, por que o muro já cai sete vezes............ fala sériooooooooo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - YSAAC & K.OLIVER

  Por: André Montandon Parceiros de longa data, Ysaac e K.Oliver seguem como eles mesmos dizem: "contrariando as estatísticas". Com muita luta, força, foco e fé, a dupla desenvolve o seu trabalho. E podemos dizer que já são referências em Uberaba e região. Além da carreira solo, eles participam de outros projetos ao lado de feras da cena local, com a Família BMX. Sempre em constante movimento, eles lançaram no mês de maio, o álbum que carrega em seu título o lema da dupla  "Contrariando as Estatísticas", produzido e gravado em São Paulo, conta com vídeo clipe em todas as faixas. Aproveitando o lançamento, batemos um papo com eles. Confira a seguir: - Para começar a nossa entrevista, gostaríamos de saber um pouco mais sobre o processo de produção/gravação do novo álbum? Ysaac/K.Oliver -  Salve família. Máximo Respeito. O processo de produção e gravação do nosso álbum ele veio com muita luta e muita história porque algumas músicas deste álbum duas ou três músicas eu

UBERABENSES SÃO CONVOCADOS PARA AS PARALÍMPIADAS DE TÓQUIO

  Ercileide da Silva , José Carlos Chagas e Poliana Sousa  da Associação dos Deficientes Físicos de Uberaba - Adefu, foram convocados  pelo Comitê Paralímpico Brasileiro - CPB  na tarde desta terça-feira (6), para os  Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 . Ercileide e Zé Carlos competem pela classe BC4 e BC1  da bocha, respectivamente. Já Poliana pela classe F54 do lançamento de dardo. Foto:  @funel.uberaba Não poderíamos deixar de destaque também, a convocação da uberabense e ex-paratleta da Adefu, Raissa Rocha Machado . Que hoje integra a equipe do Instituto Elisângela Maria Adriano -  IEMA   , de São Caetano do Sul-SP. Raissa é atleta da classe F56 do lançamento de dardo. Foto:  @raissarochamachado Foram ao todo 253 convocados, maior delegação brasileira para uma edição dos Jogos fora do Brasil. O número só é superado pela participação nos Jogos Rio 2016, já que o Brasil garantiu vagas em todas as modalidades por ser país sede e contou 286 atletas no total. Os Jogos de Tokyo 2020, ser