Pular para o conteúdo principal

DALÊ, DALÊ BRASIL!!!

 

O time brasil fez história nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. Com 72 medalhas, equipara o recorde de pódios conquistados em uma mesma edição, estabelecido no Rio 2016. Fechando a campanha com 22 ouros, 20 pratas e 30 bronzes, na 7ª posição no quadro de medalhas 

Outra marca importante para a delegação brasileira foi o novo recorde de medalhas de ouro (22), uma a mais da antiga melhor marca conquistada em Londres 2012. Outro motivo para comemorar é a conquista de medalha em 14 modalidades diferentes, tendo no Parataekwondo, o melhor desempenho de um país em modalidade estreante nos Jogos. Foi nesta edição também que o país conquistou seu centésimo ouro da história, com o corredor Yeltsin Jacques, nos 1.500m da classe T11. A atleta brasileira mais vencedora nesta edição foi Carol Santiago, que fechou sua participação com 5 medalhas: três ouros, uma prata e um bronze. E a Lenda Daniel Dias, encerra a sua carreira como maior medalhista brasileiro paralímpico da história com 27 medalhas, sendo três desta edição. 

A nota triste ficou por conta da decisão do Júri de Apelação (uma instância do Comitê Paralímpico Internacional) que após protesto da China, invalidou o resultado da prova do arremesso de peso classe F57, com a anulação dos dois melhores arremessos de Thiago Paulino, que havia sido validado pelos árbitros de campo na prova. Perdendo o ouro e o recorde mundial dez horas depois da conquista, sem justificativa de que tenha cometido alguma infração e ficando assim com o bronze. 

Quarta edição consecutivas que o Brasil termina no Top 10

O resultado demostra uma evolução impressionante do esporte paralímpico brasileiro, rumo a consolidação com uma das potências mundiaisMesmo em meio a todas as adversidades de muitos dos nossos atletas, que sem grandes investimentos e apoio, rompem barreiras em busca do sonho olímpico. 

Confira todas as medalhas conquistadas pelo Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio:

Ouro🥇

Futebol de 5 masculino – Quinta medalha de ouro na modalidade, nas cinco vezes em que ela foi disputada em paralimpíadas. O Brasil jamais perdeu uma partida nas paralimpíadas;

Goalball masculino - Medalha inédita em Jogos Paralímpicos;

Atletismo – Yeltsin Jacques (2 medalhas), Silvania Costa, Petrucio Ferreira, Wallace Santos, Elizabeth Gomes, Claudiney Batista e Alessandro Rodrigo;

Natação – Gabriel Bandeira, Wendell Belarmino, Maria Carolina Santiago (3 medalhas), Gabriel Araújo (2 medalhas), Talisson Glock;

RemoFernando Rufino - Vitória inédita em Jogos Paralímpicos;

Parataekwondo – Nathan Torquato - Primeiro medalha de ouro da modalidade na história dos Jogos Paralímpicos;

Levantamento de Peso - Mariana D’Andrea - Vitória inédita em Jogos Paralímpicos;

JudôAlana Maldonado - Primeira campeã paralímpica pelo Brasil;

Prata🥈

Atletismo – Thomas Moraes, Thalita Simplicio (2 medalhas), Marco Aurélio Borges, Marivana Oliveira, Raissa Machado, Vinicius Rodrigues, Alex Pires;

Natação – Gabriel Bandeira (2 medalhas), Gabriel Araújo, Revezamento Misto e Cecília Araújo;

Canoagem – Luis Carlos Cardoso - Conquista inédita em Jogos Paralímpicos;

Remo – Giovane Vieira - Conquista inédita em Jogos Paralímpicos;

Parataekwondo – Debóra Menezes - Primeiro medalha de prata da modalidade na história dos Jogos Paralímpicos;

Tênis de Mesa – Bruna Alexandre;

Hipismo – Rodolpho Riskalla - Vitória inédita para o adestramento paralímpico brasileiro;

Esgrima em cadeira de Rodas – Jovane Guissone;

Bronze🥉

Atletismo – Washington Junior, João Victor Teixeira (2 medalhas), Julyana Cristina, Cícero Nobre, Jardenia Felix, Mateus Evangelista, Thiago Paulino, Petrucio Ferreira, Ricardo Mendonça, Jerusa Geber;

Natação – Daniel Dias (3 medalhas), Wendell Bellarmino, Talisson Glock, Beatriz Carneiro, Mariana Gesteira, Revezamento Livre, Maria Carolina Santiago, Phelipe Rodrigues, Revezamento 4×100 Livre;

Judô – Lúcia Araújo e Meg Emmerich;

Tênis de Mesa – Catia Oliveira e Disputa por Equipes (Bruna Alexandre, Danielle Rauen e Jennyfer Parinos);

Bocha – Maciel Santos e José Carlos Chagas;

Vôlei Sentado Feminino - Segundo bronze consecutivo;

Parataekwondo – Silvana Fernandes - Primeiro medalha de bronze da modalidade na história dos Jogos Paralímpicos;

Remo – Renê Pereira;

Esquadrão Uberabense - Resultado fantástico de nossos representantes. José Carlos Chagas conquistou a primeira medalha do Brasil na história da classe BC1 da Bocha e Raissa Rocha Machado estabeleceu no Arremesso de Dardo - classe F56, o novo Recorde das Américas com a marca de 24,39 metros. Que orgulho 👏👏👏

Raissa e Zé Carlos conquistam suas primeiras medalhas paralimpícas.

Parabéns às guerreiras e guerreiros brasileiros, vocês são demais💪👊

Paris 2024 é logo ali!!!

Siga o zebunarede também pelas redes sociais:

Facebook: zebunarede.com

Instagram: @zebunarede

Youtube: zebunarede

Twitter: @zebunarede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Furtado Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo" , contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta" , com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apres

BATE-PAPO COM JOÃO CARLOS NOGUEIRA

Por: André Montandon João Carlos Paranhos Nogueira  é um dos grandes nomes do esporte uberabense. Seu currículo é inspirador, abrange prêmios de destaque do ano, participações e títulos em importantes competições do país. Fera na natação, no triatlo e na maratona aquática, João começou a praticar esporte bem cedo, aos seis anos de idade.  Nas piscinas, são vários pódios, destaque para os títulos no Circuito Brasil e Circuito Paraolímpico. Em 2011, iniciou no Paratriathlon, também conseguindo bons resultados, como a Copa Brasil de 2018. Em 2014, começou na maratona aquática, com diversos títulos na categoria PCD  e sempre estando entre os melhores também contra nadadores sem deficiência, na categoria master. Medalhas em eventos importantes como no Desafio Aquaman, no Circuito de Maratona Aquática do Estado de São Paulo, na Travessia dos Fortes e o Circuito Rei e Rainha do Mar. No ano passado, mais um feito marcante em sua carreira, foi campeão na 52ª edição da Maratona Aquátic