Pular para o conteúdo principal

Naça Perde feio em Casa , esta mais longe da classificação

Desastre no Uberabão! O que se viu na tarde deste sábado, no jogo Nacional x Esportiva Guaxupé, válido pela quarta rodada da segunda fase do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, foi algo inesperado.

Nem mesmo o mais pessimista poderia acreditar que o Naça, time que tradicionalmente demonstra muita raça, muita determinação, pudesse ser humilhantemente goleado da forma que foi pela equipe do Sul de Minas, pelo placar de 5 a 1.

Talvez uma derrota até pudesse ser aceita, mas em condições normais de jogo. Não da forma que aconteceu. O que se viu em campo foi uma equipe sem raça, sem determinação, sem compromisso, sem vontade.
Na primeira etapa, o Nacional conseguiu, em três falhas de sua defesa, sofrer três gols no espaço de cinco minutos.

O primeiro foi aos 16 minutos. O lateral-esquerdo Canhoto trabalhou bem pelo seu setor e cruzou da linha de fundo. A defesa do Naça, desatenta no lance, permitiu a penetração do meia Marlon que, de cabeça, conseguiu vencer o goleiro Rafael.

Um minuto depois, Rodriguinho partiu com velocidade pelo setor central e, sem nenhuma marcação, invadiu a área e tocou cruzado no canto baixo esquerdo do goleiro, aumentando a vantagem dos Tigres.

E não parou por aí. Aos 20 minutos, Dedê foi desarmado no meio e a bola chegou aos pés do atacante Yan que, ao entrar na grande área, bateu colocado para superar pela terceira vez o arqueiro alvinegro.

Com 3 a 0 desfavorável no placar, o técnico Erick Moura tirou o zagueiro Alex, colocando em seu lugar o garoto Breno, que entrou bem, fazendo boas jogadas, principalmente pelo setor esquerdo.

O Naça passou a pressionar, chegando com perigo. Aos 36 minutos, Joubert, em jogada pelo setor esquerdo, quase descontou, mas seu chute se chocou no travessão do goleiro Cristiano.

Aos 43 minutos, Joubert conseguiu vencer Cristiano, após boa jogada individual, tocando forte no canto baixo direito, descontando um pouco o prejuízo do time da casa.

Na etapa complementar, até que o Nacional iniciou com mais vontade, fazendo com que a Esportiva recuasse, se trancando toda no setor defensivo. A equipe visitante, tal qual no primeiro tempo, apostava nos seus rápidos contra-ataques.

Aos 9 minutos, Rodriguinho lançou Marlon, que encontrando a defesa do Naça desatenta, penetrou sozinho na grande área, mas o goleiro Rafael saiu na hora certa para evitar.

Mas aos 13 minutos não teve jeito. Joubert perdeu a bola no setor de inteligência, Yan recebeu livre de marcação e, na tentativa de evitar o gol, Rafael acabou cometendo pênalti. O próprio Yan converteu, fazendo 4 a 1 para o clube alviverde.

O jogo prosseguia com o Elefante perdido em campo. Aos 32 minutos, o último gol. Jhonatan perdeu ainda no setor de ataque proporcionando mais um rápido contra-ataque. Desta vez dois jogadores apareceram livres na frente de Rafael. Tôto e Marlon trabalharam bem a jogada, que foi concluída após Tôto se livrar da tentativa de defesa de Rafael e tocar para Marlon, livre de marcação, escolher o canto para ampliar a humilhante goleada para 5 a 1.

Após o quinto gol, os jogadores do Nacional praticamente não tiveram mais condições de tentar evitar o vexame. O placar não se alterou, os poucos torcedores presentes no Uberabão não se manifestaram e só restou a todos esperar o apito final do árbitro.

Com a derrota, a situação do Nacional na Segunda Divisão ficou muito complicada já que, apesar de matematicamente ainda ter chances, não depende somente dele para conquistar vaga para a próxima fase da competição.

O Alvinegro tem que vencer o líder Minas Brasil na próxima quarta-feira, às 16h, no Uberabão, depois vencer o Valeriodoce na última rodada, em Itabira, e ainda torcer por uma combinação de resultados.


Ficha Técnica
Nacional 1x5 Esportiva Guaxupé
Gols: Joubert (Nacional); Marlon (2), Yan (2) e Rodriguinho (Guaxupé)
Renda: R$ 4.430,00 (prejuízo aproximado de R$ 1.200,00)
Público pagante: 170 torcedores
Público com carnê: 449 torcedores
Árbitro: Adriano Alves de Oliveira
Assistentes: Ricardo Junio de Souza e Leandro Salvador da Silva

NACIONAL: Rafael, Ricardo Pelezinho, Alex (Breno), Luciano, Jhonatan Machado; Marcelino, Dedê, Everton e Joubert; Robinho (Laerte) e Tiago Pitbull (Chitão); Técnico: Erick Moura

GUAXUPÉ: Cristiano, Leandro, Vinícius, Adnaldo e Canhoto; Xandinho (Paulinho Belém), Tôto, Marlon (Toninho) e Rafinha; Yan (Ryan) e Rodriguinho; Técnico: João Carlos.
Veja a tabela de calssificação:

FONTE: http://www.jornalreplay.net/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - YSAAC & K.OLIVER

  Por: André Montandon Parceiros de longa data, Ysaac e K.Oliver seguem como eles mesmos dizem: "contrariando as estatísticas". Com muita luta, força, foco e fé, a dupla desenvolve o seu trabalho. E podemos dizer que já são referências em Uberaba e região. Além da carreira solo, eles participam de outros projetos ao lado de feras da cena local, com a Família BMX. Sempre em constante movimento, eles lançaram no mês de maio, o álbum que carrega em seu título o lema da dupla  "Contrariando as Estatísticas", produzido e gravado em São Paulo, conta com vídeo clipe em todas as faixas. Aproveitando o lançamento, batemos um papo com eles. Confira a seguir: - Para começar a nossa entrevista, gostaríamos de saber um pouco mais sobre o processo de produção/gravação do novo álbum? Ysaac/K.Oliver -  Salve família. Máximo Respeito. O processo de produção e gravação do nosso álbum ele veio com muita luta e muita história porque algumas músicas deste álbum duas ou três músicas eu

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Furtado Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo" , contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta" , com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apres