Pular para o conteúdo principal

Câmara aprova o fim dos celulares e walkman nas escolas municipais

Câmara aprovou ontem por 13 votos o Projeto de Lei 179/11, que proíbe a utilização de aparelhos eletrônicos portáteis nas escolas públicas municipais. Ante a possibilidade de estender a medida para as instituições de ensino privada, os vereadores optaram por não pedir a dispensa de interstícios e com isso votá-lo em dois turnos. Até sua volta ao plenário – o que deve acontecer em dez dias corridos, ou antes, se assim a Casa entender –, o vereador Tony Carlos (PMDB) se comprometeu em elaborar uma emenda visando a essa inclusão. O peemedebista, aliás, garante que o município pode legislar sobre o segmento.

O PL em questão proíbe o uso de celulares, walkman, diskman, players musicais e câmeras digitais, entre outros equipamentos, nas salas de aula e demais espaços destinados ao ensino-aprendizagem. Texto similar foi apresentado e aprovado em plenário, no ano passado, pelos vereadores Samuel Pereira (PR) e professor Godoy (PTB), mas acabou sendo vetado pelo Executivo por considerá-lo inconstitucional. No entanto, dada a sua natureza, houve um entendimento entre a Prefeitura, o republicano e o petebista para que a matéria voltasse à Casa, o que aconteceu ontem. Os dois participaram da elaboração do PL e ontem comemoraram sua aprovação.

A diretora do Departamento Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, Nilza Consuelo Alves Pinheiro – que foi ao plenário acompanhar a votação –, observa que as tecnologias digitais são uma realidade irreversível e a partir daí as escolas têm que se adequar e saber recebê-las como um recurso pedagógico. “Mais do que proibir, temos que regulamentar, instituir em lei para que seja cumprida de fato”, acrescenta a educadora, que chama os pais para que sejam parceiros das instituições de ensino.

Para o presidente do Sindicato dos Educadores do Município (Sindemu), Adislau Leite, a matéria é um avanço significativo. Ele diz esperar que a lei possa vir a alcançar as escolas particulares. “Não são só os trabalhadores das redes públicas que sofrem com o uso desses equipamentos. Para nós, da educação, é um passo importantíssimo, porque já não é mais segredo para ninguém que celular perturba a aula, desconcentra o professor”, afirma o dirigente sindical, que também foi à Câmara ontem.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BATE-PAPO COM O TENISTA JOÃO MENEZES

Por: André Montandon


Com apenas 22 anos, João Menezes já é um dos principais nomes do tênis brasileiro. Vivendo o seu melhor momento na carreira, o uberabense ocupa atualmente a 210º posição no ranking mundial da ATP (Associação de Tenistas Profissionais), sendo o terceiro melhor brasileiro. Apaixonado pelo esporte, o atleta contou com a influência e o apoio da família no desenvolvimento no tênis. Agora com a conquista da medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos, busca alcançar grandes títulos e chegar forte nas Olimpíadas de Tokio 2020.
Mas nem sempre foi assim. João passou por momentos difíceis nessa trajetória, pensando até em abandonar o esporte devido a resultados que não vinham e principalmente, pelas três cirurgias no joelho esquerdo e uma lesão na coluna. Mas, pelo apoio do pai, seu grande incentivador, ele retomou os treinamentos em busca dos seus sonhos. 
Confira o nosso bate-papo com esse grande atleta uberabense:
- João, quando começou o seu interesse pelo tênis; os primeir…

UMA BREVE HISTÓRIA DE UBERABA

O povoamento da região de Uberaba teve início, no final do século XVIII, com sesmarias concedidas pela Capitania de Goiás, entre elas, a Fazenda das Toldas, ainda existente, concedida a Tristão de Castro Guimarães, e as Fazendas Santo Inácio, Ponte Alta e Bebedouro, concedidas, em 1799, ao Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, irmão do Sargento-Mor Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira, todas estas fazendas situadas ao sul da atual Uberaba.

O povoado de Uberaba, foi fundada, em 1809, pelo sargento-mor comandante da Companhia de Ordenanças do Distrito do Julgado do Desemboque da Capitania de Goiás, Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira.
A primeira casa de Uberaba, construída pelo Sargento-Mor Antônio Eustáquio, localizava-se na atual esquina da Praça Rui Barbosa com a Rua Artur Machado, do lado esquerdo de quem desce a rua Artur Machado.

Uberaba surgiu pela migração de familias que deixaram as já esgotadas regiões produtoras de ouro, porém fracas para agricultura, da Capitania d…