Pular para o conteúdo principal

Novos satélites brasileiros

O Brasil ainda não lançou o satélite de observação Amazônia 1, previsto inicialmente para abril de 2010, por falta de domínio tecnológico. De acordo com Marco Antônio Chamon, coordenador de Gestão Tecnológica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), "a adaptação da indústria nacional aos padrões espaciais foi mais demorada do que se imaginava inicialmente. As indústrias penaram para aprender como fazer". O satélite, de 550 kg, é totalmente brasileiro, feito sem parceria, e está em construção utilizando principalmente componentes criados por 15 empresas nacionais.

 Segundo ele, a dificuldade principal está nos componentes eletrônicos. "Em toda a parte de mecânica já temos maior segurança." Algumas peças produzidas não resistem às câmaras que simulam a variação de temperatura, vácuo e de impacto. "Às vezes, quebra. Volta para a bancada, daí se refaz e estuda. É um problema de aprendizado."

Para a consultora legislativa da área de ciência e tecnologia da Câmara dos Deputados, Elizabeth Veloso, a indústria espacial nacional tem dificuldade de se desenvolver por falta de continuidade do Programa Espacial Brasileiro.

Em sua opinião, o mau desempenho do programa deixa o País "a mercê das grandes potências" e "totalmente dependente" para monitorar por satélite a ocupação de terras e o desmatamento florestal, vigiar fronteiras, prestar serviços de previsão do tempo e prevenção de catástrofes (como enxurradas e grandes estiagens), descobrir riquezas mineiras e atender às demandas de telecomunicações, como a ampliação da banda larga.

Além do Amazônia 1, há atrasos também e indefinições no cronograma do satélite do Programa Internacional de Medidas de Precipitação (em parceria com os Estados Unidos), do Satélite de Sensoriamento Remoto com o Imageador Radar (Mapsar, parceria com a Alemanha) e do Satélite Lattes (para experiências científicas).

O investimento em tecnologia nacional é fundamental para o desenvolvimento do país e de independência tecnológica. Enquanto o governo não colocar os interesses nacionais em primeiro lugar, a mudança de 3º para 1º mundo não será possível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ELEIÇÕES 2020: COMO ESCOLHER O MEU CANDIDATO?

As eleições estão chegando!!! É hora de escolher os nossos representantes municipais. Neste momento importante nas nossas vidas é fundamental pesquisar e conhecer melhor quem está concorrendo aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador em nossa cidade.  Para escolher seu representante, é de suma importância identificar os valores relevantes para você e o que você deseja que o político defenda. Vale lembrar que o bem comum é tão importante quanto os seus próprios interesses.  Apresentamos a seguir, algumas ferramentas gratuitas disponíveis na rede para te ajudar a escolher os seus candidatos: ➤ Justiça Eleitoral – www.justicaeleitoral.jus.br   ( Apresenta dados detalhados sobre todos os candidatos que pediram registro à Justiça Eleitoral, suas propostas de governo,  patrimônio declarado,  site do candidato, entre outras  informações) ; ➤ Tem meu voto -  www.temmeuvoto.org    (C onsiderada uma espécie de “Tinder das eleições”, a plataforma a juda o eleitor a escolher candidatos most

SOBRE O 1º TURNO DAS ELEIÇÕES EM UBERABA

Confira todos os detalhes do resultado do primeiro turno das eleições 2020 em Uberaba. VEREADORES: - Foram 13 novos eleitos - Celso Neto (PP), Luciene Fachinelli (PSL), Rochelle Gutierrez (PP), Jamal (MDB),  Cabo Diego Fabiano (PP),  Alessandra do Abrigo dos Anjos (Pode), e Alessandra Amaro (Podemos), Tulio Micheli Boca No Trombone (PSL), Anderson Dois Irmãos (PSD), Caio Godoi (Solidariedade),  Professor Wander (PSC), Luizinho Kanecão (PDT), Baltazar da Farmácia (DEM), Pastor Eloisio Santos (PTB); - 7 reeleitos - Ismar Marão (PSD), Almir Silva Locutor Mensagens (DEM), Elias Divino (Podemos), Fernando Mendes (MDB), Samuel Pereira (MDB) e Denise Marx (Patriota); * Incluindo os dois suplentes que participam da atual legislatura, Varciel Borges (PP) que assumiu o cargo por oito meses (durante o período em que Ronaldo Amâncio esteve a frente da Fundação Cultural) e Elias Divino (Pode), que assumiu a vaga de Franco Cartafina (eleito Deputado Federal em 2016). - 1 ex-vereador eleito - China (