Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - CRIOLO


Por: André Montandon

Criolo. Foto: Reprodução internet

Kleber Cavalcante Gomes, mais conhecido como Criolo, é sem duvida, um dos artistas mais interessantes e influentes da música popular brasileira dos últimos anos. Em atividade desde 89, o paulistano começou a ganhar notoriedade em 2006, com o lançamento do seu primeiro disco de estúdio "Ainda Há Tempo". Mas, foi com o álbum "Nó na Orelha" (2011), que o artista conquistou o Brasil e Mundo. Dividindo palco com grandes nomes e conquistando diversos prêmios. É também, fundador da Rinha dos MC’s juntamento com o seu parceiro DJ DanDan, um dos projetos mais autênticos e tradicionais do hip hop Brasileiro.

Aproveitamos a sua passagem por Uberlândia, no Festival Timbre, para realizar essa entrevista. Confira:


Zebunarede: Comparando o titulo do seu álbum "convoque seu buda" ao atual momento politico/social brasileiro, devemos convocar nossos "deuses" para enfrentar essa crise?

Criolo: É o desejo de procurar equilíbrio para não deixar perder as forças positivas, intuitivas e de raciocínio. Para passarmos por estes tempos difíceis. 


Zebunarede: A cultura tem um papel transformador dessa realidade?

Criolo: Bom, a cultura e essa construção de pensamento e ação, tudo junto ou uma coisa de cada vez que se faz presente nesse nosso dia a dia.  A intenção de cada um é que faz a diferença.  Se uns acham que sim, então sim. Se a construção é de NÃOS, aí é lembrar que tudo deixa um legado e, que a reverberação de nossa existência vai além de nosso egoísmo.


Zebunarede: O relançamento do "Ainda da tempo" comemora os 10 anos desse álbum. E o que mudou em você de lá para cá?

Criolo: Com a idade percebemos o quanto ainda temos a aprender e a lutar, não apenas com as coisas erradas do mundo, mas também com coisas erradas em nós.



Zebunarede: Antes, havia um pré-conceito com o RAP por ser um som da periferia e muitas vezes associavam com a criminalidade. O que você acha que  provocou essa mudança?

Criolo: Ouve mudança?? Uns serem aceitos não significa que todos foram. O rap é uma energia total muito forte e positiva, o olhar se constrói num tanto desse todo e desse nosso que nunca para em nossas mãos,  muitas barreiras de pré conceitos ao de cair.


Criolo no Festival Timbre 2016. Foto: Felipe Flores | BurnAsh


Zebunarede: Como foi participar do Festival Timbre de Uberlândia que busca a integração da arte independente, a valorização da produção musical e a resistência cultural?

Criolo: Plural e singelo. Gratidão por participar.







Zebunarede: Para finalizar, manda uma recado para galera de Uberaba. Esperamos ver você aqui em nossa cidade. 

Criolo: Um abraço a todos e, que todos os sonhos se realizem!


Agradecemos a Equipe Oloko Records e Perfexx pela atenção e principalmente ao Criolo pela participação. Sucesso mano!!

Quer saber mais sobre o seu trabalho? Acesse: http://www.criolo.net/aindahatempo/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - SUPLA

Por: André Montandon e Verônica Sousa



EDUARDO? SUPLA? PAPITO? CHAMPS!

Com mais de 1.800 shows, 190 músicas, 48 clipes, 17 discos em seus 30 anos de carreira. Eduardo Smith de Vasconcelos Suplicy, iniciou aos 14 anos de idade tocando bateria na banda Os Impossíveis. Mais tarde, entrou para a banda Metrópolis, mas logo foi convidado para ser o vocalista da banda Tokyo - onde teve grande destaque no cenário nacional. 
Em 2009 Supla e seu irmão João, decidiram formar o Brothers Of Brazil, com o qual ganharam destaque internacional e realizaram só entre o Reino Unido e os EUA mais de 250 shows. De volta a carreira solo em 2016, o artista lançou esse ano o álbum bilíngue, "Illegal". E Uberaba, teve a oportunidade de conferir um pouco desse novo trabalho, no show realizado no dia 18 de maio na Casa de Giulietta, onde Supla foi acompanhado pela banda Dillinger. Aproveitamos essa visita para bater um papo com esse ícone do rock nacional. Confira:
- Como foi o processo de criação do seu …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Sousa

Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo", contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta", com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apresentações par…