Pular para o conteúdo principal

Livros da escola Santa Maria foram doados para reciclagem gera revolta entre Cooperativas.....

Volume de livros encaminhados para a reciclagem no início da semana passada pela Escola Municipal Santa Maria pesou 3,7 toneladas, o que teria rendido, considerando preço médio de mercado, algo em torno de R$390. Contudo, segundo revelou o proprietário da empresa que realizou o recolhimento, o material foi doado. A medida gerou reação por parte das cooperativas que realizam a coleta seletiva na cidade.

Na ultima terça-feira, os funcionários da CST (Coleta Seletiva e Transportes) estiveram na escola e recolheram exatos 3.570 quilos de livros, destinados à reciclagem. Mesmo sendo uma empresa privada, que paga pelo material, a CST recebeu os livros como doação.

Segundo o presidente da empresa, Nabi Francisco Gouveia, a empresa não é prestadora de serviço, compra e vende materiais reciclados diversos. “Temos uma movimentação mensal de duas mil toneladas de materiais reciclados por mês, que vem do setor privado ou público”, explica Nabi, ressaltando que o material que recebeu da escola foi doado e será encaminhado a uma indústria de papel em outra cidade. 

Entretanto, a decisão gerou reação dos representantes das cooperativas da coleta seletiva do município Cáritas e Cooperu, que são parceiras da prefeitura. Segundo o presidente da Cáritas, Sebastião Francisco de Freitas, a instituição recebe apenas doações, em que o material recebido é vendido e o dinheiro é repassado a um projeto social de combate à fome e violência, “sendo assim, dependemos dos materiais entregues para manter o projeto”, explica Sebastião. 

Hoje a Cáritas recebe qualquer tipo de material destinado à reciclagem, retirando apenas os orgânicos. No caso dos livros, quando chega à instituição, é feito um serviço de triagem: aqueles que estiverem com boa qualidade são repassados a uma biblioteca, o restante é encaminhado à reciclagem.

Sebastião explica que, caso recebesse doações de livros, o preço estipulado é de R$0,12 o quilo para paginas como a capa, por ser papel cartolina. O papel colorido é vendido pelo valor de R$0,07 o quilo, enquanto o branco, que tem um maior valor agregado, R$0,16 o quilo. Considerando o valor médio pago pelos três tipos de papel, pois os livros são confeccionados com os três tipos de papel, o valor que seria pago à Escola Municipal pela empresa seria de, no mínimo, R$392.

Com este valor seria possível comprar cerca de 10 livros de literatura para o enriquecimento da biblioteca. No caso da Cáritas, Sebastião comenta que a cooperativa teria revertido o valor para uma ação social. “Cada um tem um jeito de pensar, mesmo que seja errado aos olhos da sociedade. Com certeza, esse material seria bem-vindo para nós continuarmos nesta atividade, pois, além de ter um objetivo social, o programa que trabalhamos também é voltado para o ambiental”, explica Sebastião. 

A diretora da Escola Municipal Santa Maria, Valéria Salgado, revelou que apenas fez o pedido à Secretaria de Educação, para que encontrasse a forma mais viável para descartar os livros. Valéria revelou que teve de catalogar todos e a escolha da empresa de coleta seletiva que iria buscar o material ficou por conta da secretaria. 

De acordo com a subsecretária de Educação, Mara Bóscolo, a CST foi contatada por uma sugestão dos funcionários do Departamento Central de Arquivos e Documento, locado na Secretaria de Administração. “Não sabíamos que a empresa era privada, a nossa intenção era somente encontrar uma solução para a escola”, explica a subsecretária.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UMA BREVE HISTÓRIA DE UBERABA

O povoamento da região de Uberaba teve início, no final do século XVIII, com sesmarias concedidas pela Capitania de Goiás, entre elas, a Fazenda das Toldas, ainda existente, concedida a Tristão de Castro Guimarães, e as Fazendas Santo Inácio, Ponte Alta e Bebedouro, concedidas, em 1799, ao Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, irmão do Sargento-Mor Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira, todas estas fazendas situadas ao sul da atual Uberaba.

O povoado de Uberaba, foi fundada, em 1809, pelo sargento-mor comandante da Companhia de Ordenanças do Distrito do Julgado do Desemboque da Capitania de Goiás, Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira.
A primeira casa de Uberaba, construída pelo Sargento-Mor Antônio Eustáquio, localizava-se na atual esquina da Praça Rui Barbosa com a Rua Artur Machado, do lado esquerdo de quem desce a rua Artur Machado.

Uberaba surgiu pela migração de familias que deixaram as já esgotadas regiões produtoras de ouro, porém fracas para agricultura, da Capitania d…

70 ANOS DA ESCOLA ESTADUAL MINAS GERAIS

Fundada em 1944, a Escola Estadual Minas Gerais é uma das instituições de ensino mais tradicionais de Uberaba e completa esse mês 70 anos. Uma série de ações serão desenvolvidas dentro e fora da instituição no intuito de apresentar para a comunidade uberabense toda a sua história.
Estão sendo realizadas diversas ações como, postagem de fotos antigas de alunos e funcionários na tentativa de descobrir que são os personagens de grande história. Entrevistas com ex-alunos, elaboração de um jornal contato a trajetória do minas, a construção de uma capsula do tempo que será aberta daqui à 10 anos, entre outras.
Um destaque especial para criatividade dos grafiteiros que deram vida aos muros externo do colégio. Demonstrando a importante da intervenção artística de grafiteiros na vida urbana. 


O prédio foi construído em 1929 e até hoje mantém as mesmas características. Foi nele que funcionou o primeiro quartel militar da cidade. E desde de 2013, o Conselho de Patrimônio Histórico e Artístico d…