Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - BQUATRO


Por: André Montandon

Uma das mais tradicionais bandas uberabense em atividade, a Bquatro, vem imprimindo sua marca no cenário sudeste desde o ano 2000.

Com o seu Pop Rock de qualidade e estilo próprio, é sucesso garantido por onde passa. Já dividiram palco com o Capital Inicial, Tihuana, Wilson Sideral, Tico Santa Cruz, Raimundos, Nando Reis, CPM 22 e o Rappa. Foram destaque no Concurso de Bandas “Triângulo Music 2010”, conseguindo se figurar entre as três melhores bandas independentes de toda Minas Gerais. Em 2013, lançaram o seu 1° disco, uma produção autoral e independente que teve uma ótima recepção do público. No concurso de bandas "João Rock 2014", foi a banda mais votada pelo público entre as 1.140 concorrentes. No mesmo ano, participaram do Amplitude Rock Fest e da Semana do Rock de Osasco - São Paulo.

Formada atualmente por Marco Fábio (Vocal), Marcelo Vieira (Guitarra), Rogério (Teclados), Chaene da Gama (Baixo) e Cainã (Bateria), o grupo está passando por uma mudança; Marco Fábio que com o seu talento e carisma de despede do posto de vocalista após 18 anos. Apresentações de despedida estão sendo realizadas. Os últimos shows da atual formação serão nesse sábado (29) no 2º Festival de Inverno de Peirópolis e no dia 06/07 no Soho Pub. 

Confira a entrevista super bacana que realizamos com o fundador e tecladista Rogério e com o vocalista Marco Fábio, com muitas histórias e novidades. Confira:

- A Bquatro começou sua história no início do novo milênio. Época essa, em que o Pop Rock Nacional vivia um ótimo momento. De lá pra cá, muita coisa mudou na cena nacional e com a própria banda. Conte-nos  um pouco da trajetória de vocês até aqui.

Rogério - Sim, a B4 quando começou vivia uma boa fase do Rock Pop nacional, as rádios tocavam muito Skank, Jota Quest, Cidade Negra, Pato Fú, etc. Penso eu, que foi a última grande fase do rock nas rádios, pois, como todos sabemos, hoje o que domina é o jaba. Sabemos também, que outros estilos tem grana para dominar por muitos anos as rádios... mas mesmo com as mudanças que acompanhamos por todos esses anos, tentamos nos manter fiéis ao proposito da B4, que é tocar musica boa. Vejo a Banda B4 como uma sobrevivente, são mais de 20 anos nadando contra o modismo musical e o melhor: trabalhando sempre, tocando em todos os locais onde a banda é convidada, sem preconceitos. Isso nos abriu muitas portas e muitos contratantes, amigos, que sempre nos deram espaço nas principais casas de Uberaba e região. Grandes músicos passaram pela banda e saíram para grandes projetos. Nesses momentos, era sempre difícil escolher o substituto , mas sempre tivemos muita sorte em encontrar boas pessoas e grandes músicos que sempre entraram para somar.

Ultima apresentação de Marco Fabio com a banda no Domingo na Concha. Foto: Fanpage da Banda

- Marco, são 18 anos a frente da banda, o que representa ser da "família B4" e qual o momento mais marcantes dessa trajetória.  

Marco Fábio - Pra mim, foi importante porque quando eu entrei na banda Bquatro, em 2002, foi quando eu perdi meus pais. E meses depois assim... rolou o convite da gente trocar ideia, a banda tá precisando do vocalista, então pra mim realmente, eu chamo de família Bquatro. Porque vocês (banda), foram a minha família nesses quase 20 anos de banda né, por isso que eu falo a FAMÍLIA BQUATRO!! bato muito nessa tecla de família, porque minhas irmã num moravam aqui, eu só tinha vocês (banda). Então, pra mim, família significa isso mesmo, na ausência dos meus pais, vocês apareceram assim, na hora certa. O momento mais marcante pra mim cara, eu acho que a gente tava com essa formação já; foi aquele Festival Triângulo Music, que a nós ficamos das dez da manhã, às  quatro da madruga em Uberlândia, dormindo na praça, comendo marmitex e ganhar né, ser classificado pra final do sorteio. Mas emocionante ainda, porque fomos a última banda das três bandas a ser anunciada. Um momento muito marcante na história da banda pra mim foi esse, cara!! Era um festival de música própria; a hora que eu vi que a galera cantou o refrão da nossa música; Eu pedi pra pra banda segurar e a galera cantando o refrão... Pra mim, foi uma realização. Me sentir realizado. Eu podia morrer aquele dia, que eu tava realizado!! Você ter uma música e a galera, o público, cantar.

- Lançado em 2013, o primeiro álbum de vocês,  um produção totalmente autoral, foi sem duvidas um divisor de águas na carreira da banda. Teve uma ótima recepção do público; tocando em rádios e emplacando sucessos como "Além do Alcance" e "O instante em que o tempo parou".  Particularmente, um dos melhores CDs que tenho. Qual é a representatividade desse trabalho para vocês?

Rogério - Sim, o CD foi um marco pra gente. Não tínhamos grana para poder pagar a produção do CD, ae vinha o grande problema da banda. Mesmo tocando muito, os integrantes sempre precisavam do cachê para poder ajudar na renda familiar. Surgiu a oportunidade de trabalhar em uma grande banda de baile, paralelo a B4; o empresário precisava de uma banda base e assim fomos tocar nos bailes da vida, onde aprendemos muito, crescemos muito e também sofremos... rsrrss ( 4 a 5 horas de baile tocando sem parar e muito cansativo). Ficamos por um tempo guardamos o cachê dos bailes. Convidamos nosso grande amigo Junior Bertoldi (Troll), que conhecemos através de outro grande irmão, Nelson Flash,  para produzir nosso som e assim fomos para São Paulo gravar nosso sonho. As composições em sua maioria, são do Chaene da Gama (baixista); ficamos por 02 dias direto no estúdio, foi um processo rápido pois já havíamos feitos todos os arranjos e ensaiado antes da viagem... esse CD abriu muitas portas de festivais, ele tem muito do que realmente somos na B4, a Fé em dias melhores, a persistência naquilo que acreditamos. Para nós, esse trabalho representa muito, por mais simples que seja, ele e muito pra gente!


- Quais são os planos nessa nova fase da banda?

Rogério - A nova fase da B4, com a saída do Marco depois de 18 anos, foi algo difícil de ser assimilado. Mas fizemos o seguinte: Iríamos fazer esse momento de perda se tornar um momento de felicidade e celebração da amizade através da música, vários shows de despedida foram realizados inclusive na concha acústica de Uberaba, com presença da população que lotou a praça. Foi um momento único e emocionante!! Com a entrada de Mike Zoeli nos vocais, surgiu uma vontade muito grande de fazer coisas novas, sem se esquecer de nossa essência musical. Nosso repertório passa a ter um equilíbrio maior entre o nacional e internacional, uma nova produção da banda, com fotos, novo site, novo layout e também em breve um vídeo clipe. Querendo melhorar nossa produção em todos os sentidos. Vamos nos focar também em nossas musicais autorais, pensando em lançar um novo CD no próximo ano e assim continuamos nossa caminhada.

- Obrigado pela entrevista. Desejamos ainda mais sucesso!! Pra finalizar o nosso bate papo, manda um recado para galera que é fã da Bquatro.

Rogério - Agradecemos de coração sempre pelo apoio a Banda B4. Não abandone a gente!! Vamo embora, vamo que o som continua.

Curtiu esse entrevista?
Quer saber mais sobre a Banda Bquatro? 
Acesse:

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - ČAO LARU

Por: André Montandon

A banda Franco-Brasileira, formada por quatro brasileiros e duas francesas, vem rodando o mundo em uma Kombi e Motorhome desde 2016. Os músicos se conheceram em Rennes, na França, e desde então, já passaram por mais de 20 países; Lançaram em 2016, o EP “Čao Laru  e o disco, “Kombiphonie”, em 2017.  No ano passado, a turnê deste álbum rendeu mais 150 shows, no Brasil (inclusive em Uberaba), Argentina, Chile, França e Suíça.
Agora, o grupo está na estrada divulgando o seu 2º disco, "Fronteiras", no qual refletem sobre as barreiras que nos separam a partir das vivências que os músicos tiveram nos países que visitaram. E nesse sábado, dia 20 de abril, teremos o prazer de conferir de perto esse belo trabalho, com a apresentação da banda no Cine Teatro Vera Cruz, às 20h, com entrada gratuita. Aproveitamos essa visita, para bater um papo com o baterista e produtor desse disco, Felipe Trez. Confira:
- Como tudo começou e quando vocês decidiram se unir para desen…

FIQUE LIGADO NA AGENDA CULTURAL