Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - BROKEN JAZZ SOCIETY


Por: André Montandon e Verônica Sousa

Felipe, Matheus e João. Foto: Gustavo Vargas



Para começar o ano com o pé direito, batemos um papo com o Broken Jazz Society, que está completando 5 anos de estrada. Desde a sua formação no final 2013, o trio vem apresentando a sua identidade musical, qualidade sonora e muito rock na veia!! 

O primeiro álbum, “Tales From Purple Land”, lançado em 2014, rendeu bons frutos à banda: shows pela região, resenhas e boas histórias. Dois anos depois, apresentaram ao publico o EP “Gas Station”, com uma roupagem menos lo-fi e mais centrado nos sons de guitarra e baixos recheados de fuzz, recebendo calorosos elogios da imprensa especializada no Brasil. Ainda em 2016, a banda conquistou o Sete Sounds Festival, evento da Radio Sete Colinas FM.

Atualmente, a banda formada por Mateus Graffunder (guitarra/vocal), João Fernandes (baixo) e Felipe Araújo (bateria) está em divulgação do novo álbum, “Rubber Talk", disponível nas principais plataforma digitais. Confira a nossa entrevista com BJS:

Como surgiu a ideia e qual significado do nome da banda, houve um consenso ou foi um processo longo de escolha?

Broken Jazz Society - A escolha do nome foi influenciado pela proposta da banda. Tentamos fugir de quaisquer normas e convenções. Nosso foco sempre foi fazer um som verdadeiro, para nós e para quem mais quiser ouvir. O "jazz quebrado", nada mais é que uma brincadeira com essa direção oposta ao rebuscamento do estilo. Gostamos de lo-fi e sujeira.

Apresentação no Stereo Lab Festival (2017). Foto: Equipe zebunarede.com
O Broken Jazz Society é uma das referencias da música autoral de Uberaba. Como vocês enxergam a cena independentes da cidade?

Broken Jazz Society - Uberaba é uma cidade muito acima da média quando o assunto é música. Na verdade, aqui tem tanta coisa boa, que fica até difícil acompanhar tudo. Infelizmente, grande parte destes excelentes músicos e do material que eles produzem, ainda são ofuscados pela falta de interesse do público em geral.

Essa pergunta chega a ser um clichê, mas, não poderíamos deixar de fazer. Porque escolheram o inglês como idioma para as canções? 

Broken Jazz Society - Acho que o inglês aconteceu naturalmente... Escutamos muitas bandas de fora e tocamos o que gostamos, então nada mais natural que cantar em inglês. 

No segundo semestre de 2017, vocês lançaram o álbum “Rubber talk”, que foi bem recebido pelo público. Conte-nos um pouco sobre o processo de produção desse trabalho e as suas diferenças com os anteriores.

Broken Jazz Society - Rubber Talk foi um álbum diferente em quase todos os aspectos em relação aos nossos trabalhos anteriores. Foi nosso primeiro Full-lenght gravado em um estúdio (nosso álbum anterior, Tales From Purple Land, foi gravado na casa de um amigo, em um Ipad), então da captação até a master foram experiencias novas. Gravamos em Goiânia, com nosso amigo e grande produtor, Gustavo Vazquez. Chegamos lá com quase tudo já pronto e registramos durante 10 dias contínuos. É um trabalho mais experimental e conceitual. Uma espécie de ópera rock, onde todas as músicas se relacionam e contam uma história.


Entramos em um ano muito especial para banda, o Broken Jazz Sociaty, completa 5 anos de muito trabalho, shows e reconhecimento. Qual é o balanço feito até aqui e as perspectivas para o futuro?

Broken Jazz Society - Estamos muito satisfeitos como nosso trabalho! Conhecemos tanta gente e tantos lugares. Aprendemos tanta coisa e passamos pelos mais inimagináveis "apertos". Ainda não sabemos o que o futuro reserva, mas podemos garantir que tem muito som e muito show pela frente. É o mínimo que podemos fazer em retribuição à tanta coisa boa.

Muito obrigado pela oportunidade! Grande abraço!

Curtiu a entrevista? Quer saber mais sobre o Broken Jazz Society? Acesse:

www.brokenjazzsociety.wixsite.com/brokenjazzsociety
www.facebook.com/brokenjazzsociety
www.soundcloud.com/broken-jazz-society
www.instagram.com/brokenjazzsociety
www.youtube.com/user/brokenjazzsociety


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - SUPLA

Por: André Montandon e Verônica Sousa



EDUARDO? SUPLA? PAPITO? CHAMPS!

Com mais de 1.800 shows, 190 músicas, 48 clipes, 17 discos em seus 30 anos de carreira. Eduardo Smith de Vasconcelos Suplicy, iniciou aos 14 anos de idade tocando bateria na banda Os Impossíveis. Mais tarde, entrou para a banda Metrópolis, mas logo foi convidado para ser o vocalista da banda Tokyo - onde teve grande destaque no cenário nacional. 
Em 2009 Supla e seu irmão João, decidiram formar o Brothers Of Brazil, com o qual ganharam destaque internacional e realizaram só entre o Reino Unido e os EUA mais de 250 shows. De volta a carreira solo em 2016, o artista lançou esse ano o álbum bilíngue, "Illegal". E Uberaba, teve a oportunidade de conferir um pouco desse novo trabalho, no show realizado no dia 18 de maio na Casa de Giulietta, onde Supla foi acompanhado pela banda Dillinger. Aproveitamos essa visita para bater um papo com esse ícone do rock nacional. Confira:
- Como foi o processo de criação do seu …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Sousa

Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo", contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta", com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apresentações par…