Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - CMP 22


Por: André Montandon


Em 1995, nascia em São Paulo o CPM 22. Uma das poucas bandas brasileiras de hardcore a ganhar um disco de ouro e despontar no cenário nacional em pouco tempo de existência.

Com 8 álbuns e 4 DVD´s gravados (destaque para Ao Vivo no Rock in Rio 2015) já em 2000, a banda foi indicada à categoria Melhor Democlipe no VMB, premiação da MTV. Dois anos mais tarde, na mesma premiação, conquistaram o prêmio de Revelação com o clipe “Tarde De Outubro”. Em 2005, a banda levou os prêmios de Melhor Vídeo Clipe de Rock com “Irreversível” e Escolha da Audiência com “Um Minuto Para o Fim do Mundo”. No ano seguinte, venceram na categoria Melhor Performance Ao Vivo. No Prêmio Multishow de 2007, conquistaram a categoria melhor DVD com o CD/DVD MTV Ao Vivo e em 2008, o Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro. Atualmente, a banda formada por Badauí, Japinha, LucianoFernando e Phil está em turnê com o álbum "Suor e Sacrifício" e teremos o prazer de conferir esse novo trabalho com um super show na LIU - Liga Interestadual Universitária no dia 07 de setembro em Uberaba. 

Aproveitamos essa visita para conversar com o vocalista Badauí, que nos falou sobre os 22 anos da banda, do novo album, do inesquecível show no Rock in Rio e muito mais. Confira:

- O CPM22 está completando 22 anos de carreira, marca importante para uma banda de Rock, principalmente da cena underground. A que vocês atribuem essa longevidade de sucesso?

Badauí - Ah, cara, eu acho que a gente teve um pouco da sorte de pegar a última geração de bandas que conseguiu contar com a divulgação na TV aberta, com a MTV forte. Isso facilitou pra que a gente conseguisse formar um público bem fiel e grande, pra poder chegar com 22 anos de banda e uma carreira sem tantos sustos. Com altos e baixos, que é normal, mas de certa forma bem sólida. A  gente pegou o começo da internet e fomos nos adaptando bem, crescendo junto com ela, porque a internet ainda era uma coisa muito nova quando a gente montou a banda e soubemos nos adaptar a isso, mas realmente é difícil viver de rock/punk rock no Brasil, sobre tudo nos dias de hoje, que está cada vez mais escasso o espaço pra divulgação.  

- Após seis anos, a banda lançou em abril seu novo álbum de inéditas, “Suor e Sacrifício”. Como foi o processo de produção desse novo trabalho?

Badauí - A produção do Suor e Sacrifício foi muito legal, a gente tava muito a fim de fazer o disco. Depois de tantos discos, tanto tempo de banda, acho interessante você fazer um lançamento de músicas inéditas e despois esperar uns anos pra lançar de novo...esperar a galera digerir o que aquele disco reflete, aquela época que a banda está vivendo naquele momento. 

Entre Depois de Um Longo Inverno, de 2011 e Suor e Sacrifício, de 2017, a gente teve também o Acústico, a coletânea de 20 anos e aí teve o do Rock in Rio, que deu uma atrasada no disco, pois a gente não esperava lançar o CD e DVD do Rock in Rio e por isso a gente acabou esperando um pouco mais. Mas acho que  veio em boa hora, com a formação da banda legal, com  a volta do Fernando (no baixo) e com o Phil efetivado (na guitarra) também. Acho que escrever um disco de inéditas é isso...como comentei anteriormente, o disco reflete aquele momento que a banda tá vivendo e esperar um pouquinho mais, um ano e meio, dois anos, pra lançar o disco foi importante pra gente amadurecer aquilo que a gente queria dizer.


- O atual trabalho foi divulgado com 14 faixas no CD físico e 16 faixas na versão digital. Essa diferenciação se deu por causa dos novos recursos e mídias digitais?

Badauí - Ah, a gente resolveu deixar duas a mais nas plataformas pra poder ter uma diferença de um pro outro e também tem um pouco a ver com o tempo que disco teria, porque pra colocar essas duas músicas a mais o disco  físico sairia mais caro nas lojas. Essas mesmas 16 das plataformas digitais também vão no nosso vinil, que vai sair duplo e sai muito em breve. Então é legal ter algumas diferenças, né.

- A apresentação no Rock in Rio 2015 foi a mais marcante na carreira da banda? Conte-nos um pouco sobre essa experiencia de abrir a noite do Palco Mundo com grandes nomes do rock mundial como Queens Of The Stone Age e System Of A Down?

Badauí - Cara, foi um puta show. O Rock in Rio vem com toda aquela tradição e grandeza do festival em si, com bandas consagradas e um festival genuinamente de rock e pop rock, então é um marco na nossa carreira ter tocado no Palco Mundo e ter eternizado num DVD. Ficou muito legal o resultado, pra gente foi com certeza um carimbo que faltava em nossa carreira.

Nós tivemos shows sensacionais ao longo desses 22 anos, mas com certeza o Rock in Rio foi um divisor de águas pra gente, foi algo muito importante  que a gente alcançou na nossa carreira e que faltava em nossa galeria.



- O ultimo show do CMP 22 em Uberaba foi em 2014, de lá para cá já se passou muito tempo e a galera está ansiosa por esse novo encontro. Deixe um recado pra galera?

Badauí - Bom galera, é o seguinte. A formação tá muito foda agora, com o Phil e com o Fernando. É o melhor time que a gente já teve, o disco tá muito legal, a aceitação dele tá muito alta e a galera tá curtindo muito. Não vão ter só músicas novas, vão ter as antigas também, a gente nunca toca só as novas no show, mas com certeza é um show bem diferente dos que vocês viram na última vez, então vamos deixar a preguiça de lado, gastar um pouquinho da grana guardada e vâmo ver um show de rock de verdade de uma banda que tá num ótimo momento. Certo? Muito bom estar de volta à Uberaba!!! Um abraço!!!

Valeu Badauí!! Sucesso sempre!!

Curtiu a entrevista? Quer saber mais sobre o CMP 22?  Acesse:

http://cpm22.com.br/

https://www.facebook.com/cpm22official/

Mais informações do show, acesse: https://www.facebook.com/jogosliu/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - SUPLA

Por: André Montandon e Verônica Sousa



EDUARDO? SUPLA? PAPITO? CHAMPS!

Com mais de 1.800 shows, 190 músicas, 48 clipes, 17 discos em seus 30 anos de carreira. Eduardo Smith de Vasconcelos Suplicy, iniciou aos 14 anos de idade tocando bateria na banda Os Impossíveis. Mais tarde, entrou para a banda Metrópolis, mas logo foi convidado para ser o vocalista da banda Tokyo - onde teve grande destaque no cenário nacional. 
Em 2009 Supla e seu irmão João, decidiram formar o Brothers Of Brazil, com o qual ganharam destaque internacional e realizaram só entre o Reino Unido e os EUA mais de 250 shows. De volta a carreira solo em 2016, o artista lançou esse ano o álbum bilíngue, "Illegal". E Uberaba, teve a oportunidade de conferir um pouco desse novo trabalho, no show realizado no dia 18 de maio na Casa de Giulietta, onde Supla foi acompanhado pela banda Dillinger. Aproveitamos essa visita para bater um papo com esse ícone do rock nacional. Confira:
- Como foi o processo de criação do seu …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Sousa

Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo", contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta", com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apresentações par…