Pular para o conteúdo principal

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - BOOGARINS


Por: André Montandon

Da esq. para a dir.: Raphael, Benke, Dinho, Ynaiã. Foto: Reprodução internet
Tudo começou na amizade entre Fernando "Dinho" Almeida (vocal e guitarra) e Benke Ferraz (guitarra solo), colegas da escola técnica de Goiânia que decidiram se reunir aos domingos para gravar as suas composições de forma totalmente despretensiosa, mas que, em meados de 2013, já tinham em mãos o seu primeiro EP “As plantas que curam”. Em seguida, a dupla convidou os músicos Hans Castro (bateria) e Raphael Vaz (baixo) para fazerem parte da banda. O EP, chamou atenção da gravadora norte americana Other Music que assinou um contrato com o quarteto, que em março de 2013, iniciou uma turnê mundial por 11 países, fazendo 60 shows ao todo, passando por festivais como o South by Southwest, no Texas, e o Primavera Sound, em Barcelona. Em meados de 2014, Ynaiã Benthroldo assumiu as baquetas no lugar de Hans.

Eles já participaram do Lollapalooza e da Virada Cultural de São Paulo,  Rock in Rio Lisboa, já tocaram na influente rádio de música alternativa KEXP de Seattle. Em 2015 a banda lançou o álbum "Manual" indicado ao prêmio de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa no Grammy Latino.

Em 2017, a banda lança um álbum ao vivo "Desvio Onírico" gravado durante a turnê deles nos EUA e na Europa. Eles estivaram na terra do zebu semana passada, sendo uma das atrações do Stereo Lab Festival. Aproveitamos a visita e descolamos essa entrevista. Confira:

- Vocês já tocaram em diversos lugares do Brasil e no exterior. Quais shows foram os mais marcantes? A recepção do som aqui é diferente de lá fora?

Boogarins - É impossivel definir os shows mais marcantes, depois de tocar quase 3 anos sem parar. Geralmente a recepção é boa em qualquer parte do mundo, quem se dispõe a ir no show é porque já gosta da música. A diferença é que as pessoas no Brasil fiquem mais na expectativa de ouvir as canções e la fora, por causa do idioma ser um mistério, eles levam o show todo na mesma maneira - jams e canções.

- Fico sempre garimpando novas musicas no youtube para colocar no meu setlist. Um dia me deparei com "Lucifernandis" e resolvi escutar; valeu muito a pena, achei o som muito massa, principalmente a introdução, e a partir daí, não parei de escutar o som de vocês. Falando no som do Boogarins, como vocês o define?

Boogarins - Fazemos um rock com canções bem pop, mas que podem ir pra qualquer lugar - tanto por causa do que fazemos pirando nas gravações, quanto por toda experimentação no palco! 



- Vocês percebem alguma mudança no trabalho da banda desde a produção do primeiro disco "As Plantas que Curam" em 2013, até o atual trabalho, o EP "Desvio Onírico", lançando em fevereiro desse ano?

Boogarins - Claro. Quando produzimos o "As Plantas" nem eramos banda mesmo. Depois de virarmos e começarmos a tocar por toda a parte nosso estilo foi se desenvolvendo e acho que o ápice dessa sintonia que construimos nos palcos esta ai no "Desvio Onírico" que logo chega em Vinil também!

- O que é mais importante, sucesso ou reconhecimento?

Boogarins - Pra gente ambos são a mesma coisa. Até pq o "grande sucesso" hoje em dia é uma coisa muito distante para artistas do meio independente. 

- A musica possui um papel transformador na sociedade?

Boogarins - Claro que sim, não que o "rockinho alternativo" seja uma dessas armas transformação, já que o publico que consome esse tipo de música é predominante branco, classe média e universitário. Os sons que mudam e transformar a sociedade de modo relevante tem outras bandeiras, mas claro que nos nossos discos e shows buscamos fazer o som mais acessível, positivo e pirado possível para atingir mais gente e "abrir" a cabeça de mais gente ao mesmo tempo.


Apresentação no Stereo Lab Festival. Foto: Equipes zebunarede


- Ser uma banda independente no Brasil é um grande desafio? A internet é uma aliada ou um empecilho nessa jornada?

Boogarins - Claro que a internet é uma aliada. Ela destruiu um formato antigo e centralizador de se fazer e divulgar música. E não estariamos nessa posição sem ela. 




Curtiu a entrevista? Quer saber mais sobre o Boogarins?  Então, acesse:



Official WebSite: http://www.boogarins.com/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - ERVA MATT

Por: André Montandon

Uma das mais tradicionais bandas de rock independente de Uberaba, iniciou suas atividades em 1996, tendo como influência os grandes nomes do rock dos anos 80, além do fortalecimento da cena nacional.
Após 10 anos de estrada e mesmo com o grande sucesso da musica "Romeu e Julieta", decidiram "dar um tempo" na carreira após algumas frustrações.

Mas o amor pela musica falo mais alto e em 2015 eles voltaram com toda energia, com Fábio Parré na guitarra, Giovanni Dumdum na batera, Rogério Possati no baixo e Well Nandes nos vocais. Lançaram em 2017 o vídeo clipe de "Romeu e Julieta"; Esse ano,  o segundo EP em formato digital com o selo da Tratore e o vídeo clipe da musica "E vem".

Batemos um papo com baixista Rogério Possati que nos contou um pouco mais dessa história e muito mais!! Confiram:

- Do inicio em 1996 pra cá, muita coisa rolou não só com a banda, mas com a cena musical. Conte-nos um pouco da trajetória da banda? 
Rogéri…

UBERABENSE CONQUISTA O CAMPEONATO BRASILEIRO DE PETECA

No ultimo final de semana em Curitiba/PR, o uberabense Douglas Silva e o seu parceiro Matheus Martins/GO, alcançaram o topo da categoria adulta - 1ª Classe no Campeonato Brasileiro de Peteca, que nessa 30ª edição, contou com a participação das duplas campeãs de Goiás, Minas, São Paulo, Rondônia, Paraná, Brasília, do clube Curitibano e de duas duplas convidadas da França. 


Douglas representou Goias após convite de Matheus para disputar o Goiano, no qual foram vitoriosos. O titulo nacional veio após uma final pra lá de emocionante contra os representantes mineiros Tonho e Japa. A FINAL - Douglas/Matheus venceram o 1º set; O segundo foi dos mineiros (sendo que no finalzinho do set, Matheus se machucou, criando um clima de apreensão).  O Tiebreak foi pura emoção!! Perdendo de 12 a 9, Douglas e Matheus demostraram muita experiência, sangue frio e superação para reverter o placar e fechar o set em 17 a 15 e o jogo em 2 a 1.
Carreira - Atualmente com 28 anos, Douglas Silva, começou a praticar…