Pular para o conteúdo principal

ENTREVISTA COM A BANDA PATO FU

Foto: Facebook Nômade Produções 






                                                                          Uma das atrações do projeto "Diversão e Arte: música para crianças de todas as idades" realizado em julho, na Praça da Abadia em Uberaba, foi a banda mineira Pato Fu. O grupo apresentou o show "Música de Brinquedo", com a participação do grupo Giramundo. E como o próprio nome do evento diz, reuniu "crianças de todas as idades"que ficaram encantadas com a apresentação. O disco desse projeto foi todo gravado com instrumentos de brinquedo ou miniaturas, além de instrumentos ligados à musicalização infantil.

Como não foi possível realizarmos a cobertura desse belo evento. Entramos em contato com a banda, que nos concedeu a entrevista. Confira:

Zebunarede - O disco "Musica de Brinquedo" foi um sucesso de vendas e recebeu diversos prêmios. Existe a intenção de lançamento do segundo álbum?

John Ulhoa (fundador, guitarrista e produtor da banda) - Estamos preparando uma sequência sim, maturando umas idéias pra algo que esteja à altura do primeiro que foi um sucesso muito espontâneo, mas agora, acho que já carrega uma certa expectativa...

Zebunarede - Esse trabalho foi o primeiro da banda com o seu selo independente da Rotomusic. A "ruptura" com as gravadoras "tradicionais" deram uma maior flexividade para os artistas em suas criações e contato com o publico?

John Ulhoa - Acho que não no nosso caso. Liberdade artística sempre tivemos. Pode ser que seja diferente pra outros artistas, mas o que mudou pra gente foi mesmo a forma de distribuir e de promover. Talvez o Música de Brinquedo tivesse alguma dificuldade de ser aceito como projeto dentro de uma gravadora, mas pelo que nos conheço a gente faria de qualquer jeito.

Zebunarede - Qual é a opinião da banda sobre o influencia das mídias digitais na divulgação do trabalho?

John Ulhoa - As mídias digitais são mais divertidas e menos eficientes do que eram radio, tv, jornais, revistas. É muito disperso, mas ao mesmo tempo bastante acessível pra qualquer banda iniciante. Então é legal, porque você rapidamente cria seguidores, pessoas opinam sobre seu trabalho, etc. O difícil é a profissionalização do músico só a partir dessa web-fama. Ou seja, as mídias digitais hoje em dia são fundamentais, mas todos ainda estão aprendendo a usá-las.

Pato Fu. Foto: Reprodução internet

Agradecemos a banda pela atenção e especialmente ao John pela entrevista.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - SUPLA

Por: André Montandon e Verônica Sousa



EDUARDO? SUPLA? PAPITO? CHAMPS!

Com mais de 1.800 shows, 190 músicas, 48 clipes, 17 discos em seus 30 anos de carreira. Eduardo Smith de Vasconcelos Suplicy, iniciou aos 14 anos de idade tocando bateria na banda Os Impossíveis. Mais tarde, entrou para a banda Metrópolis, mas logo foi convidado para ser o vocalista da banda Tokyo - onde teve grande destaque no cenário nacional. 
Em 2009 Supla e seu irmão João, decidiram formar o Brothers Of Brazil, com o qual ganharam destaque internacional e realizaram só entre o Reino Unido e os EUA mais de 250 shows. De volta a carreira solo em 2016, o artista lançou esse ano o álbum bilíngue, "Illegal". E Uberaba, teve a oportunidade de conferir um pouco desse novo trabalho, no show realizado no dia 18 de maio na Casa de Giulietta, onde Supla foi acompanhado pela banda Dillinger. Aproveitamos essa visita para bater um papo com esse ícone do rock nacional. Confira:
- Como foi o processo de criação do seu …

ZEBUNAREDE ENTREVISTA - MENINO MESTIÇO

Por: André Montandon e Verônica Sousa

Natural de Uberaba, Guilherme de Oliveira Junior, mais conhecido como Menino Mestiço é tido como uma dos grandes letristas da região. Escrevendo desde 2007, suas letras fomentam reflexão, constroem diálogos e empodera aqueles que são invisibilizados pela sociedade. Atuante na cultura Hip-Hop desde 2011 através das batalhas de MCs, em 2015 conseguiu de forma independente distribuir sua primeira mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita em Si Mesmo", contendo as canções "Cantiga de Roda", "Queijo Minas" e "Negro Não Nego" música que ficou em terceiro lugar no Festival de Música autoral de Uberaba. No ano seguinte, se consolida como promessa na região com sua segunda mixtape "Abençoado Seja o Que Acredita e Vai à Luta", com destaques para os sons "Sem Sinal de Vida", "Anos 2000" e "Gatilho da Revolução. O artista também é responsável por inúmeras atividades como apresentações par…