Pular para o conteúdo principal

Naça Perde feio em Casa , esta mais longe da classificação

Desastre no Uberabão! O que se viu na tarde deste sábado, no jogo Nacional x Esportiva Guaxupé, válido pela quarta rodada da segunda fase do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, foi algo inesperado.

Nem mesmo o mais pessimista poderia acreditar que o Naça, time que tradicionalmente demonstra muita raça, muita determinação, pudesse ser humilhantemente goleado da forma que foi pela equipe do Sul de Minas, pelo placar de 5 a 1.

Talvez uma derrota até pudesse ser aceita, mas em condições normais de jogo. Não da forma que aconteceu. O que se viu em campo foi uma equipe sem raça, sem determinação, sem compromisso, sem vontade.
Na primeira etapa, o Nacional conseguiu, em três falhas de sua defesa, sofrer três gols no espaço de cinco minutos.

O primeiro foi aos 16 minutos. O lateral-esquerdo Canhoto trabalhou bem pelo seu setor e cruzou da linha de fundo. A defesa do Naça, desatenta no lance, permitiu a penetração do meia Marlon que, de cabeça, conseguiu vencer o goleiro Rafael.

Um minuto depois, Rodriguinho partiu com velocidade pelo setor central e, sem nenhuma marcação, invadiu a área e tocou cruzado no canto baixo esquerdo do goleiro, aumentando a vantagem dos Tigres.

E não parou por aí. Aos 20 minutos, Dedê foi desarmado no meio e a bola chegou aos pés do atacante Yan que, ao entrar na grande área, bateu colocado para superar pela terceira vez o arqueiro alvinegro.

Com 3 a 0 desfavorável no placar, o técnico Erick Moura tirou o zagueiro Alex, colocando em seu lugar o garoto Breno, que entrou bem, fazendo boas jogadas, principalmente pelo setor esquerdo.

O Naça passou a pressionar, chegando com perigo. Aos 36 minutos, Joubert, em jogada pelo setor esquerdo, quase descontou, mas seu chute se chocou no travessão do goleiro Cristiano.

Aos 43 minutos, Joubert conseguiu vencer Cristiano, após boa jogada individual, tocando forte no canto baixo direito, descontando um pouco o prejuízo do time da casa.

Na etapa complementar, até que o Nacional iniciou com mais vontade, fazendo com que a Esportiva recuasse, se trancando toda no setor defensivo. A equipe visitante, tal qual no primeiro tempo, apostava nos seus rápidos contra-ataques.

Aos 9 minutos, Rodriguinho lançou Marlon, que encontrando a defesa do Naça desatenta, penetrou sozinho na grande área, mas o goleiro Rafael saiu na hora certa para evitar.

Mas aos 13 minutos não teve jeito. Joubert perdeu a bola no setor de inteligência, Yan recebeu livre de marcação e, na tentativa de evitar o gol, Rafael acabou cometendo pênalti. O próprio Yan converteu, fazendo 4 a 1 para o clube alviverde.

O jogo prosseguia com o Elefante perdido em campo. Aos 32 minutos, o último gol. Jhonatan perdeu ainda no setor de ataque proporcionando mais um rápido contra-ataque. Desta vez dois jogadores apareceram livres na frente de Rafael. Tôto e Marlon trabalharam bem a jogada, que foi concluída após Tôto se livrar da tentativa de defesa de Rafael e tocar para Marlon, livre de marcação, escolher o canto para ampliar a humilhante goleada para 5 a 1.

Após o quinto gol, os jogadores do Nacional praticamente não tiveram mais condições de tentar evitar o vexame. O placar não se alterou, os poucos torcedores presentes no Uberabão não se manifestaram e só restou a todos esperar o apito final do árbitro.

Com a derrota, a situação do Nacional na Segunda Divisão ficou muito complicada já que, apesar de matematicamente ainda ter chances, não depende somente dele para conquistar vaga para a próxima fase da competição.

O Alvinegro tem que vencer o líder Minas Brasil na próxima quarta-feira, às 16h, no Uberabão, depois vencer o Valeriodoce na última rodada, em Itabira, e ainda torcer por uma combinação de resultados.


Ficha Técnica
Nacional 1x5 Esportiva Guaxupé
Gols: Joubert (Nacional); Marlon (2), Yan (2) e Rodriguinho (Guaxupé)
Renda: R$ 4.430,00 (prejuízo aproximado de R$ 1.200,00)
Público pagante: 170 torcedores
Público com carnê: 449 torcedores
Árbitro: Adriano Alves de Oliveira
Assistentes: Ricardo Junio de Souza e Leandro Salvador da Silva

NACIONAL: Rafael, Ricardo Pelezinho, Alex (Breno), Luciano, Jhonatan Machado; Marcelino, Dedê, Everton e Joubert; Robinho (Laerte) e Tiago Pitbull (Chitão); Técnico: Erick Moura

GUAXUPÉ: Cristiano, Leandro, Vinícius, Adnaldo e Canhoto; Xandinho (Paulinho Belém), Tôto, Marlon (Toninho) e Rafinha; Yan (Ryan) e Rodriguinho; Técnico: João Carlos.
Veja a tabela de calssificação:

FONTE: http://www.jornalreplay.net/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UMA BREVE HISTÓRIA DE UBERABA

O povoamento da região de Uberaba teve início, no final do século XVIII, com sesmarias concedidas pela Capitania de Goiás, entre elas, a Fazenda das Toldas, ainda existente, concedida a Tristão de Castro Guimarães, e as Fazendas Santo Inácio, Ponte Alta e Bebedouro, concedidas, em 1799, ao Tenente Joaquim da Silva e Oliveira, irmão do Sargento-Mor Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira, todas estas fazendas situadas ao sul da atual Uberaba.

O povoado de Uberaba, foi fundada, em 1809, pelo sargento-mor comandante da Companhia de Ordenanças do Distrito do Julgado do Desemboque da Capitania de Goiás, Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira.
A primeira casa de Uberaba, construída pelo Sargento-Mor Antônio Eustáquio, localizava-se na atual esquina da Praça Rui Barbosa com a Rua Artur Machado, do lado esquerdo de quem desce a rua Artur Machado.

Uberaba surgiu pela migração de familias que deixaram as já esgotadas regiões produtoras de ouro, porém fracas para agricultura, da Capitania d…

70 ANOS DA ESCOLA ESTADUAL MINAS GERAIS

Fundada em 1944, a Escola Estadual Minas Gerais é uma das instituições de ensino mais tradicionais de Uberaba e completa esse mês 70 anos. Uma série de ações serão desenvolvidas dentro e fora da instituição no intuito de apresentar para a comunidade uberabense toda a sua história.
Estão sendo realizadas diversas ações como, postagem de fotos antigas de alunos e funcionários na tentativa de descobrir que são os personagens de grande história. Entrevistas com ex-alunos, elaboração de um jornal contato a trajetória do minas, a construção de uma capsula do tempo que será aberta daqui à 10 anos, entre outras.
Um destaque especial para criatividade dos grafiteiros que deram vida aos muros externo do colégio. Demonstrando a importante da intervenção artística de grafiteiros na vida urbana. 


O prédio foi construído em 1929 e até hoje mantém as mesmas características. Foi nele que funcionou o primeiro quartel militar da cidade. E desde de 2013, o Conselho de Patrimônio Histórico e Artístico d…